As Glórias de Srila Gopal Bhatta Gosvami

Calendário Vaisnava- Janeiro 2015
5 de janeiro de 2015
O Dia do Desaparecimento de Sri Ramacandra Kaviraja
9 de janeiro de 2015

Dandavat Pranamas! Todas as glórias a Sri Sri Guru e Gauranga! Neste ano de 2017, em 13 de julho, é o dia do desaparecimento de Śrīla Gopāla Bhatta Gosvāmī. Por esta ocasião sagrada, estamos enviando uma aula dada por Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja em 1996, em honra a este grande Vaisnava para quem Sri Sri Radha Raman se auto manifestou.  Para ouvir o áudio em inglês, clique: Sri Radha Ramana Lecture

Sri Sri Radha Raman em 13 de julho de 2017

Primeiramente, deixe-me glorificar Gopal Bhatta Gosvami. Durante o Caturmasya-vrata, Sri Caitanya Mahaprabhu foi ao Sul da India, para o templo de Ranganathji. Ele começou a dançar e fazer kirtana, e todos se sentiam muito atraídos. Os membros de uma família muito santa O encontraram no templo e pediram intensamente: “Por favor, fique em nossa casa nestes quatro meses de Caturmasya, e depois você poderá ir a qualquer outro lugar.”

Caitanya Mahaprabhu aceitou o convite deles, permanecendo durante esses quatro meses em um quarto à parte, que a família havia providenciado para ele, às margens do rio Kaveri. O chefe da família se chamava Trimalla Bhatta, e ele tinha dois irmãos mais novos chamados Prabhodananda Sarasvati e Venkata Bhatta, sendo este o pai de Sri Gopala Bhatta. Os três irmãos tinham recebido iniciação na linhagem de Sri Ramanuja, na Sri Sampradaya, e eram conhecidos em todo o Sul da India como grandes eruditos.

Sri Caitanya Mahaprabhu fazia kirtana na casa de Venkata Bhatta, falava doce harikatha para os membros da família, e em um mês, todos eles estavam completamente transformados! No início, eles adoravam Laksmi e Narayana, mas pela associação com Caitanya Mahaprabhu, eles se tornaram Gaudiya Vaisnavas, adoradores do Casal Divino Sri Sri Radha Krsna. A históra de como ele (Venkatha Bhatta) e sua família se tornaram Gaudiya Vaisnavas é bem longa.

Quando menino, Gopal Bhatta servia Sri Caitanya Mahaprabhu de muitas maneiras durante Sua estadia no Sul da India. Quando Mahaprabhu banhava-se no sagrado rio Kaveri, Gopala Bhatta costumava ir com Ele, e segurava seu pano e sua kaupina. Após Mahaprabhu tomar banho e voltar para o Seu quartinho, Gopala Bhata costumava limpar e secar Suas roupas molhadas. Ele cozinhava para Mahaprabhu, e fazia muitos outros serviços. Ele servia dia e  noite, e Mahaprabhu ficava muitíssimo satisfeito com ele!

Gopal Bhatta não era apenas um excelente servo de Caitanya Mahaprabhu, mas também possuía grande conhecimento, pois havia sido instruído por seu tio Prabhodananda Sarasvati, que era uma das pessoas mais eruditas da sua época. Prabhodananda Sarasvati tinha o conhecimento acerca de todos os Vedas, Upanisads, Vedanta-sutras, e especialmente do Srimad- Bhagavatam, além de ter escrito muitos livros. Além disso, Caitanya Mahaprabhu tinha feito dele um grande rasika Vaisnava (uma alma auto-realizada que saboreava as doçuras transcendentais de Sri Sri Radha Krsna), sendo capaz de escrever livros, tais como  “Sri Radha-rasa-sudhanidhi”, a joia suprema dentre as escrituras.

Gopal Bhatta não era apenas um excelente servo de Caitanya Mahaprabhu, mas também possuía grande conhecimento

Gopal Bhatta não era apenas um excelente servo de Caitanya Mahaprabhu, mas também possuía grande conhecimento

Em sua viagem ao Sul da India, Caitanya Mahaprabhu descobriu o livro “Krsna- karnamrta” e o “Brahma-Samhita”. Mas, ainda existia um terceiro livro que se tornara tão proeminente, que nossos acaryas da sucessão discipular regularmente se referiam aos seus versos em sânscrito. O “Krsna-karnamrta” é mais voltado para Krsna, demonstrando que Krsna é a Suprema Personalidade de Deus, mas o livro “Radha-rasa-sudhanidhi” é mais rasika (com relação as doçuras de madhurya-rasa, ou amor transcendental entre amantes), no qual Prabhodananda Sarasvati ora a Radhika se referindo a Ela como a mestra de Krsna.

Krsna sempre quer servir Srimati Radhika e Prabhodananda Sarasvati também implora para ser Sua dasi (servinha). Este é o tópico mais elevado dos Gaudiya Vaisnavas. Srila Rupa Gosvami, Srila Raghunatha dasa Gosvami e Srila Gopala Bhatta aderiram a este ponto de vista: “Radha- dasi” e nada além disso. Eles querem que Krsna sirva Srimati Radhika.

Nós vemos na rasa-lila (dança das doçuras transcendentais) em Vrindavana, que as gopis estão sempre chorando, rolando sobre a terra em busca de Krsna: “Oh Krsna, Krsna, onde está você? Sem você nós morreremos.” Por outro lado, Prabhodananda Sarasvati escreveu no Radha-rasa-sudhanidhi: “Por que as gopis choram e se lamentam por Krsna? É Krsna quem deve chorar, rolar na terra e se lamentar: ‘Oh Radhika, onde está você? Estou morrendo sem você.’  Krsna deve procurar aqui e acolá, em todos os bosques e montanhas. Ele deve desejar encontra-se com Radhika e pegar a poeira dos Seus pés.” Este é o mais elevado tópico dado pelos nossos Gosvamis em seus livros, especialmente no Caitanya-caritamrta.

Gopal Bhatta aprendeu todos esses tópicos de Prabhodananda Sarasvati e portanto, Ele é o seu guru-pada-padma. Não podemos imaginar a beleza dos ensinamentos rasika (supremamente doce) e bhavuka (pleno de emoções transcendentais) que Gopal Bhatta Gosvami recebeu do seu guru.

Depois que Sri Caitanya Mahaprabhu partiu de Sri Rangam, Gopal Bhatta ficou louco para se encontrar com Ele e servi-Lo, mas Mahaprabhu lhe disse: “Você deve servir seu pai, não somente por ele ser seu genitor, mas porque ele é também o seu guru.” (Todos os três irmãos eram acaryas na Ramanuja Sampradaya, muito eruditos, e treinaram Gopal Bhatta. Assim, seu pai também era seu siksa-guru). Você deve servi-lo, e depois deve ir onde estão seus irmãos espirituais, Rupa e Raghunatha, em Vrindavana, e permanecer com eles.

Samadhi de Gopal Bhatta Gosvami em Vrindavana.

Samadhi de Gopal Bhatta Gosvami em Vrindavana.

Após o desaparecimento de Venkata Bhatta, Prabhodananda Sarasvati deixou sua casa e foi para Vrindavana. Ele vivia em Kamyavana e perambulava pelas doze florestas de Vrindavana em um profundo humor de separação, clamando: “Oh, onde está Srimati Radhika? Lalita, Visakha, onde estão vocês”? Ele estava sempre chorando e rolando na terra.

Gopal Bhatta pensava sobre onde viveria, e como conquistaria os pés de lótus de Sri Caitanya Mahaprabhu. Assim, ele também partiu. Ele queria ir para Puri, mas não podia, porque Mahaprabhu havia ordenado que ficasse em casa e cuidasse dos seus pais, e somente após o falecimento deles é que Gopal Bhatta poderia ir até Vrindavana, para os pés de lótus de Srila Sanatana Gosvamipada e Srila Rupa Gosvamipada.

Desta forma, ele pegou a Salagrama, e a mantinha em seus braços, às vezes na cabeça, em outros momentos em seus olhos e às vezes em seu coração.

Desta forma, ele pegou a Salagrama, e a mantinha em seus braços, às vezes na cabeça, em outros momentos em seus olhos e outras vezes em seu coração.

Ele estava procurando uma forma de chegar a Vrindavana. Em sua jornada, ele foi até os Himalaias, onde o Rio Gomati corre. Enquanto se banhava neste rio, percebeu que uma grande Salagrama estava o seguindo. Ela imediatamente se aproximou, e parecia estar dizendo: ‘Eh Gopala Bhatta, eu quero o seu serviço. Por Favor, venha me servir!’ Desta forma, ele levou a Salagrama com ele. Ele a mantinha em seus braços, às vezes na cabeça, em outros momentos em seus olhos e outras vezes em seu coração. Ele a levou para Vrindavana, onde se encontrou com Rupa e Sanatana, que abraçaram fortemente este rasika Vaisnava puro, conhecido como Gopal Bhatta Gosvami!

Nesse meio tempo, Caitanya Mahaprabhu desapareceu deste mundo (para ler mais sobre os sentimentos de separação de Gopala Bhatta por Mahaprabhu, vocês devem ler o livro Bhakti Ratnakara).

Certa vez, em Vrindavana, Gopala Bhatta foi ao Radha-Ramana-Ghera próximo ao Seva Kunja na área de Nidhuvana, um lugar muito sagrado e secreto de Radha e Krsna. Lá, ele começou a pensar: “Como posso servir esta Salagrama?” Ele queria ver os olhos do Senhor, Sua face, Seus braços, Sua forma curvada em três partes, e Seus pés de lótus. Ele desejava decora-La na ocasião de Jhulana (o festival do balanço).

Durante a noite, ele ficou muito preocupado, pensando: “Como posso servi-La? Se Ela tivesse uma bela forma curvada em três partes, e uma face sorridente tocando belamente uma flauta, seria muito, muito bom servi-La!” Então, à meia-noite, a Salagrama inesperadamente lhe disse: “Oh Gopala Bhatta, veja como estou belo!”!

Gopala Bhatta se levantou e foi até a deidade, quando ele a viu: “Como é belo Radha-Ramana!” Ele tinha a face de Gopinatha, o peito de Govindaji e os pés de Madana Mohana. Govinda, Gopinatha e Madan Mohan se manifestaram- três em um! Gopala Bhatta estava encantado ao ver isso! Ele chamou todos os Gosvamis, que ficaram impressionados, meditando em quão gloriosa era a Bhakti de Gopala-bhatta, a ponto da salagrama ter se transformado em Radha-Ramana!

Vocês podem imaginar o Vaisnava elevado que ele era. Ele não era apenas um Vaisnava, mas muito querido e íntimo do Divino Casal Sri Sri Radha Krsna. Ele é Guna Manjari nos passatempos de Krsna. Por suas orações, a salagrama se tornou Radha-Ramana.

A deidade que se manifestou para Gopal Bhatta, Sri Sri Radha Ramana.

A belíssima deidade que se manifestou para Gopal Bhatta, Sri Sri Radha Ramana.

Ele não era apenas um bhavuka e rasika-bhakta, mas como mencionei antes, ele também era muito erudito. Ele possuía todos os Vedas e todas as escrituras de Ramanuja em seus lábios (isso porque, antes de obter o darsan de Sri Caitanya Mahaprabhu em sua juventude, ele era um seguidor da Ramanuja sampradaya e tinha sido muito bem treinado por seu pai e tios).

Srila Sanatana Gosvami lhe ensinou sobre as regras e regulações de acordo com a etiqueta Vaisnava, pelas quais alguém pode tornar-se elegível para adorar Radha e Krsna (ou qualquer deidade de Visnu-tattva); ensinou também como receber o voto de sannyasa, como receber diksa, como receber os mantras, quais as qualificações de um discípulo e as qualificações do guru. Não significa que todos possam ser gurus, nem que todos possam ser discípulos. Somente aqueles que são isentos de desejos mundanos e gratificação dos sentidos, que são peritos em todos os Vedas e escrituras Vaisnavas, e que têm realização no serviço a Radha e Krsna, somente estes podem ser gurus, independente de casta ou credo.

kiba vipra , kiba nyasi, sudra kene naya
yei krsna-tattva veta , ‘guru’ sei haya
(Sri Caitanya-caritamrta , Madhya-lila 8. 128 )

Se alguém tiver conhecimento de krsna-tattva, a ciência de Krsna, ele é um guru. Aqueles que sabem quem é Krsna e Srimati Radhika, sabem quem são e qual é o seu serviço a Radha e Krsna – que Os amam, realizando prema-seva (serviço devocional amoroso) e não apenas adoração, estes são considerados Sri Gurudeva. Aqueles que estão cantando não menos que uma lakha (64 voltas) de harinama diariamente, e que controlam Krsna em seus corações – eles são gurus. Aqueles que carregam Krsna e podem instalar Ele no coração dos discípulos – estes são gurus. Então, você pode imaginar os sintomas gloriosos de um guru fidedigno. Se alguém tem um guru assim, ele é muito, muito sortudo!

Temos sorte por sermos discípulos diretos do nosso guruji (Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami), que por sua vez era um discípulo direto de Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura. Além disso, aqueles que são discípulos de Bhaktivedanta Swami Prabhupada são muito afortunados! Ter um guru qualificado é uma grande fortuna.

Somos muito felizes por vir na linhagem de Srila Gopal Bhatta Gosvami. Nós estamos em débito com ele, com Srila Sanatana Gosvami e  Srila Rupa Gosvami.

Darsan de Sri Sri Radha Raman no dia do seu divino aparecimento em 10 de maio de 2017

 

Darsan de Sri Sri Radha Raman, em Vrindavana, no dia do seu divino aparecimento em 10 de maio de 2017.

 

Retirado do site Pure Bhakti

Gaura Premanande! Haribol!
Jay Srila Gopal Battha Gosvami ki! Jay!
Jay Sri Sri Radha Raman ji ki! Jay!