As Glórias Especiais de Sri Navadvipa Dhama

Feliz Gaura-Purnima!
4 de março de 2015
Vaisnavis- Mulheres Transcendentais
8 de março de 2015

As Glórias Especiais de Sri Navadvipa Dhama

Dandavat Pranamas! Todas as glórias a Sri Sri Guru e Gauranga! Em 2017, 6 de março, é o início do Sri Navadvipa Dhama Parikrama, que culmina em 12 de março no auspicioso Gaura Purnima, o dia do auspicoso aparecimento de Sri Caitanya Mahaprabhu! Em homenagem ao doce avatar dourado desta era, apresentamos uma aula de Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja proferida na Devananda Gaudiya Matha, no parikrama em 21 de março de 2005, onde Srila Gurudeva aborda temas profundos sobre Sri Caitanya Mahaprabhu e seus sentimentos mais íntimos e a essência de sua terra sagrada, Sri Navadvipa dhama.

Para maiores informações, consulte: Sri Navadvipa Dhama Parikrama 2017

mahaprabhu

Nós somos muitíssimos afortunados por estarmos reunidos em Navadvipa-dhama. Este dhama (a morada do Senhor, que se manifesta neste mundo) é absolutamente extraordinário, mas nem todos podem compreender suas glórias.

Primeiramente, ofereço milhões de reverências aos pés de lótus do meu mais adorável Gurupada-padma, nitya-lila pravistha om visnupada Sri Srimad Bhakti Prajnana Kesava Goswami Maharaja. Então, ofereço aos meus siksa-gurus, nitya-lila pravistha om visnupada Sri Srimad Bhaktivedanta Swami Maharaja, a Srila Bhaktivedanta Vamana Gosvami Maharaja e Srila Bhaktivedanta Trivikrama Maharaja. Eu ofereço milhões de reverências aos Seus pés de lótus. Eu também ofereço respeitos adequados aos meus irmãos espirituais, a todo os tridandipad sannyasis, aos Vaisnavas e Vaisnavis.

Hoje nós somos muitíssimos afortunados por estarmos reunidos em Navadvipa-dhama. Este dhama (a morada do Senhor, que se manifesta neste mundo) é absolutamente extraordinário, mas nem todos podem entender suas glórias. Cumprindo o desejo de Srila Prabhupada Sarasvati Thakura, meu Gurudeva estabeleceu esta Devananda Gaudiya Matha – repleta de nove espirais e com a Deidade de Koladeva (Varahadeva). Ela está localizada no próprio lugar em que os smarta-brahmanas que se opunham à Srila Prabhupada Sarasvati haviam feito sua sede.

Srila Prabodhananda Sarasvati revela o segredo de Navadvipa-dhama em seu Navadvipa Satakam (versículo 78):

aradhitam nava-vanam vraja-kananam te
naradhitam nava-vanam vraja eva dure
aradhito dvija-suto Vraja-nagaras te
naradhito dvija-suto na taveha kṛṣṇaḥ

“Se você adora as nove ilhas de Navadvipa, em verdade está adorando Vrindavana e poderá entrar facilmente neste lugar confidencial. Se você não adorar e não se abrigar em Navadvipa-dhama, Vrindavana estará bem longe de você. Se alguém adora Sri Caitanya Mahaprabhu, o filho do brahmana Jagannatha Misra, tal pessoa conquistará Sri Krsna em Vrindavana. Se alguém adora Sri Caitanya Mahaprabhu, que em verdade é o próprio Krsna em Navadvipa, estará realizando adoração completa a Krsna. Adorar Sacinanadana Gaurahari em Navadvipa é tão maravilhoso quanto adorar Krsna em Vrindavana. Se Gaurahari não for adorado, o Senhor Krsna passará distante”

Se você adora as nove ilhas de Navadvipa, em verdade está adorando Vrndavana, e pode facilmente ganhar entrada neste lugar confidencial. Se você não adorar e se abrigar emNavadvipa-dhama, Vrndavana estará distante de você.

Se você adora as nove ilhas de Navadvipa, em verdade está adorando Vrndavana, e pode facilmente ganhar entrada neste lugar confidencial. Se você não adorar e se abrigar emNavadvipa-dhama, Vrndavana estará distante de você.

Navadvipa-dhama é especialmente significante pela confluência de cinco rios: Pancaveni. Se alguém mergulha no Pancaveni, submergirá no rio Yamuna e no Kesi Ghata em Vrndavana. “Gaurangera gane sangi, nitya- siddhe mane kori, se jaya vrajendra-suta pasa” – compreendendo que os associados de Mahaprabhu são eternamente perfeitos, conquista-se os pés de lótus de Vrajendra-nandana Syamasundara.

No entanto, apesar de Navadvipa-dhama não ser diferente de Vrindavana, há uma certa especialidade:

“Krsna-nama” kare aparadhera vicara
Krishna balile aparadhira na haya vikara
(Caitanya-caritamrta- Adi 8.24)

“Se ao cantar krsna-nama, simultaneamente comete-se alguma das dez ofensas, não será possível saborear o coração derreter e lágrimas fluírem dos olhos.”

Porém:

gaura-nityanande nahi esaba vicara
nama laite prema dena, vahe asrudhara
(Caitanya-caritamrta- Adi 8.31)

“Gaura-Nityananda-nama (os santos nomes de Caitanya Mahaprabhu e Nityananda Prabhu) não consideram nenhuma ofensa. Se alguém canta Seus nomes, o coração derreterá e lágrimas fluirão de seus olhos. Assim, gaura-nama é mais misericordioso do que krsna-nama. Pela mesma razão, Gaura-dhama, Navadvipa, também é mais misericordiosa do que Krsna-dhama, Vrindavana.”

Para exemplificar, o Senhor Indra  havia cometido uma ofensa ao Senhor Krsna, então ele veio a Navadvipa com Surabhi (a vaquinha transcendental), e aqui Mahaprabhu o perdoou completamente. Indra já havia se desculpado com Sri Krsna em Vrndavana, mas foi necessário vir a Navadvipa para ser absolvido plenamente.

Pode-se dizer que ele já conhecia sobre Navadvipa-dhama ,e não havia necessidade de ouvir mais nada sobre o assunto. Por favor, não pensem assim. Suas glórias são muito profundas. Para adentrar nos segredos deste dhama, nós devemos discutir seus muitos diversos aspectos. Oramos para que Navadvipa-dhama nos revele as suas glórias profundas .

Nossa meta não é Krsna. Amor por Krsna e serviço a Krsna é nosso objetivo. Se não se tem amor aos pés de lótus do Senhor Sri Krsna, não se pode servi-lO.

Nossa meta não é Krsna. Amor por Krsna e serviço a Krsna é nosso objetivo. Se não se tem amor aos pés de lótus do Senhor Sri Krsna, não se pode servi-lO.

Nossa meta não é Krsna. Amor por Krsna e serviço a Krsna é nosso objetivo. Se não se tem amor aos pés de lótus do Senhor Sri Krsna, não se pode servi-lO. Kamsa e Jarasandha pensavam sempre em Krsna. Mas eles não tinham amor e afeição por ele. Assim, não foram capazes de saborear a felicidade do serviço. Nosso objetivo é Krsna-prema, amor puro por Krsna.

Krsna é a personificação de todas as rasas (doçuras transcendentais) – Ele é-akhila-rasamrta sindhu. Ainda assim, haviam três desejos que Ele não era capaz de preencher. Para satisfazê-los, teve que adotar os sentimentos e a compleição de Srimati Radhika, e aparecer em Navadvipa-dhama.

Quem é Mahaprabhu? Ele na verdade é Sri Krsna, mas decorado de forma excelente com os sentimentos e compleição corpórea de Radhika. Este é Sacinandana Gaurahari. É por isso que Ele é dourado – Ele roubou seu bhava (sentimentos) e sua kanti (pele).

Há uma consideração especial para compreender este prema tão raro. Ele tem dois aspectos: sambhoga (união) e vipralambha (separação). Se você não entender esses dois tipos de prema, você não compreenderá Sri Caitanya Mahaprabhu e Navadvipa. União e separação se subdividem em milhões de aspectos, mas quatro são proeminentes. Existem quatro tipos de sambhoga: sanksipta (união breve), sankirna (encontro arranjado), sampanna (união bem sucedida)- também chamado sampurna (completa) – e samrddhiman (encontro plenamente próspero). Estes quatro tipos de encontros dependem de quatro tipos de separação – purva raga, mana, kincid dura pravasa e sudura pravasa.

Sanksipta-sambhoga só ocorrerá após purva-raga. Purva-raga é a separação sentida antes do encontro inicial. O segundo tipo de separação é chamado mana, a separação devido a se estar zangado ou em um humor contrário. Um encontro após mana é chamado sankirna-sambhoga. Este encontro é algo combinado porque, depois de abandonar sua raiva, a heroína sente-se feliz por se encontrar com seu amante, mas ela ainda se lembra de que ele se encontrou com outra pessoa. Em seguida é sampanna-sambhoga. Isso ocorre após kincid dura pravasa – separação a  uma curta distância. Um exemplo de sampanna-sambhoga é a união de Krsna com as gopis após o pastoreio das vaca, ou após cantarem o Gopi-gita.

O última é samrddhimana-sambhoga. Ele ocorre após sudura-pravasa, uma separação muito longa e distante – quando Krsna vai para Mathura e, após a Dvaraka. A união de Sri Radha e Krsna em Kurukshetra é  samrddhimana-sambhoga, bem como a união de Krsna com as gopis quando ele finalmente retorna de Dvaraka para Vraja-mandala. Sudura-pravasa:  de um ponto de vista neutro, esta separação dança sobre a cabeça de sambhoga. Em sambhoga, externamente existe o encontro, mas internamente algo está perdido. Por outro lado, no momento da separação, embora externamente não exista nenhum encontro, internamente o encontro é completo e perfeito, e muitas realizações ocorrem que não acontecem no momento do encontro. Esta é a especialidade de vipralambha, de um ponto de vista neutro.

Se queremos fazer bhajana em vipralambha (humor de separação), devemos chorar como Mahaprabhu, que costumava se lamentar: “Ai de mim! Ai de mim! Onde está o Senhor de Minha vida, Sri Krsna?” Este sentimento deve despertar no coração. Se não houver vipralambha, não se pode saborear milana, união. Em vipralambha, no estágio de mohanakhya mahabhava (o mais alto nível de emoções transcendentais) há muitos diferentes anubhavas surpreendentes (sentimentos internos): divyonmada (insanidade transcendental), prajalpa, jalpa e outros oito tipos de loucura transcendental, discursos delirantes.

No entanto, apesar da alegria interna que vem de vipralambha, nenhum dos associados de Radhika o desejam. Eles sempre querem ver Radha e Krsna unidos. Pensar que eles desejam vê-los separados é uma grande tolice. Bhaktivinoda Thakura disse que nenhum dos associados deseja separação, mas de um ponto de vista neutro, é evidente que vipralambha tem muitos aspectos maravilhosos.

Apesar da alegria interna que vem de vipralambha, nenhum dos associados de Radhika o desejam. Eles sempre querem Radha e Krsna unidos. Pensar que eles desejam vê-los separados é uma grande tolice. Bhaktivinoda Thakura disse que nenhum dos associados deseja separação, mas de um ponto de vista neutro, é evidente que vipralambha tem muitos aspectos maravilhosos.

Apesar da alegria interna que vem de vipralambha, nenhum dos associados de Radhika o desejam. Eles sempre querem Radha e Krsna unidos. Pensar que eles desejam vê-los separados é uma grande tolice. Bhaktivinoda Thakura disse que nenhum dos associados deseja separação, mas de um ponto de vista neutro, é evidente que vipralambha tem muitos aspectos maravilhosos.

Existe um passatempo surpreendente que acontece durante a união de Radha e Krsna: Srimati Radhika estava sentada no colo de Krsna no Prema Sarovara. Um zangão (Madhusudana) estava voando em volta do rosto de Radhika e Madhumangala perseguiu-o com um pedaço de pau. Ele disse: “Madhusudana foi embora e nunca mais voltará.” Porque Madhusudana também é um nome de Krsna, Radhika entendeu que Krsna tinha ido embora e nunca mais voltaria. Assim, mesmo estando no colo de Krsna, Ela ficou transtornada de separação e desmaiou.

Estes são os sintomas de madanakhya-mahabhava. Este humor madan surge  apenas em Radhika; ele não é encontrado nem mesmo em Lalita e Visakha. O próprio Krsna tem mahabhava, mas não é completo. Ele não pode compreender a madanakhya-mahabhava de Radhika. Para saborear Sua madan-bhava, Ele veio na forma de Sacinandana Gaurahari.

Há uma outra consideração aqui: Deus é amor e amor é Deus. A natureza de Krsna é maravilhosa! Ele é akhila-rasamrta-sindhu. Ele é o oceano de néctar de todas as rasas, mas Ele não tem madanakhya-mahabhava. Ele deseja saborear isso para fazer de Sua natureza plena e, por isso, Ele aparece com esse desejo aqui em Navadvipa-dhama.

Há ainda outra coisa a entender. Krsna é akhila-rasamrta-murti, a personificação de todas as rasas. Ele personifica os ingredientes de rasa: stayibhava, vibhava, anubhava, sattvika-bhava e vyabhicari-bhava. Vibhava, a estimulação permanente de sentimentos é dividida em duas partes: visaya alambana e asraya alambana. Krsna é visaya alambana, o objeto do amor. E Radhika é asraya alambana, a morada do amor por Krsna. De todos as asrayas, Ela é a melhor: a forma como Ela ama Krsna, o jeito como Ela serve a Krsna, a maneira como Ela experimenta as qualidades e a forma Dele, ninguém mais pode fazer. Mesmo o próprio Krsna não pode experimentar o que Radhika saboreia. Para saborear isso, Krsna apareceu como Sri Caitanya Mahaprabhu!

Este prema (amor puro), Krsna experimenta em Sua juventude. Certa vez, quando Sri Caitanya Mahaprabhu estava viajando, encontrou um devoto chamado Raghupati Upadhyaya, que falou o seguinte verso:

syamam eva param rupam
puri madhu- puri vara
vayah kaisorakam dhyeyam
adya eva paro rasah

(Caitanya-caritamrta, Madhya-lila 19.106)

Há uma outra consideração aqui: Deus é amor e amor é Deus. A natureza de Krsna é maravilhosa! Ele é akhila-rasamrta-sindhu. Ele é o oceano de néctar de todas as rasas, mas Ele não tem madanakhya-mahabhava. Ele quer provar isso, para fazer de Sua natureza completa, e, assim, Ele aparece com esse desejo aqui em Navadvipa-dhama.

Há uma outra consideração aqui: Deus é amor e amor é Deus. A natureza de Krsna é maravilhosa! Ele é akhila-rasamrta-sindhu. Ele é o oceano de néctar de todas as rasas, mas Ele não tem madanakhya-mahabhava. Ele quer provar isso, para fazer de Sua natureza completa, e, assim, Ele aparece com esse desejo aqui em Navadvipa-dhama.

Mahaprabhu perguntou a ele: “Qual forma de Krsna é a melhor?” Raghupati Upadhyaya respondeu: “A forma de Sri Krisna como Syamasundara é a melhor; a melhor cidade é Mathura (Vrndavana); a melhor doçura é madhurya rasa; e a melhor idade é a juventude.” Entre todos os Seus passatempos, os juvenis são os mais elevados, e entre todas as rasas, srngara-rasa é a mais elevada. Devemos meditar sobre isso. Em Vrndavana, Ele é sempre natavara, o melhor dentre os dançarinos. Ele sempre segura uma flauta em sua mão e se veste como um menino vaqueiro. A origem de Gokula é esta forma de Sri Krsna como um jovenzinho, o melhor dos dançarinos.

Há uma especialidade aqui. Krisna nasceu em Gokula Mahavana, onde realizou Seus passatempos como uma criança. Em seguida, mudou-se para Nandagaon, onde viveu Seus  passatempos juvenis. Em Vrndavana, Radha-Kunda, Syama-kunda e Govardhana, a juventude de Krsna é manifestada esplendidamente! Como um jovem adolescente, Ele realizou Seus passatempos com as gopis de Vrndavana. Nessa época, Ele experimentou as mais elevadas expressões de prema.

A forma eterna de Krsna é a de um jovem adolescente, mas não pense que Ele é apenas um garoto comum.

aradhyo bhagavan vrajesa-tanayas tad-dhama vrndavanam
ramya kacid upasana vraja-vadhu vargena ya kalpita
srimad-bhagavatam pramanam-amalah prema pumartho mahan
sri-caitanya-mahaprabhor matam idam tatradaro nah parah

“O  mais adorável objeto de adoração é Vrajendranandana Syamasundara. Vrndavana é Baladeva-tattva, e é igualmente adorável. Não existe questão de adorar Krsna sem adorar Seu dhama ou morada. O modo como adorá-lo em Vrndavana é completamente único. O excelente método de adoração é o que tem sido adotado pelas gopis, as jovens esposas de Vraja. Este é o humor de Sri Caitanya Mahaprabhu.” E nós viemos a Navadvipa-dhama para realizar esse humor.

Sri Caitanya Mahaprabhu veio para Navadvipa-dhama, decorado com o humor e tez corpórea de Srimati Radhika. Ele passou seus primeiros 24 anos aqui em Navadvipa – Seus passatempos de infância, adolescência e juventude todos ocorreram aqui. Então, ele se tornou um sannyasi (renunciado); Tornou-se Krsna Caitanya e foi para Puri. Ele passou seis anos indo e vindo de Jagannatha Puri. Ele ia para o Sul da India, Vrndavana, Kasi, Prayaga e outros lugares. Nos seis anos seguintes ele fazia sankirtana com os devotos em Puri e participava dos Ratha-yatras. Ele passou seus últimos 12 anos apenas saboreando a rasa, a doçura do coração de Radhika, no Gambhira, completamente absorto. Que rasa era essa? Separação. Este era o intenso sentimento das gopis enquanto Sri Krsna residia em Mathura e Dvaraka.

Ao longo da noite Mahaprabhu saboreava as doçuras do humor de separação de Radha, com Sri Svarupa Damodara e Sri Raya Ramananda. Seu servo Govinda tentava impedi-los de entrar. Ele ralhava com eles: “Seria melhor se vocês não viessem com tanta frequência. Vocês só sabem deixá-lo amuado.” Govinda pensava consigo: “Por que eles têm de vir todos os dias? Eles sempre fazem Mahaprabhu chorar.” É muito difícil compreender que Mahaprabhu estava realmente se regozijando na mais elevada felicidade através destes passatempos.

Tudo isso é descrito no Sri Caitanya-caritamrta. Portanto, o Caitanya-caritamrta é superior a todos os Vedas, Vedanta, Upanishads e Puranas. Se você estudar o Caitanya Charitamrita, compreenderá estas verdades e passatempos. Se todos os livros do mundo fossem destruídos e só restasse o Caitanya-caritamrta, nada estaria perdido. Tudo está contido lá.

Navadvipa-dhama não é diferente de Vrndavana, e é mais elevada porque é a madhurya-dhama. É a morada transcendental dos dulcíssimos passatempos humanos do Senhor. Aqui não há qualquer aisvarya (humor de opulência, respeito). Mahaprabhu é simplesmente o querido menininho de Saci Mata, sua mãe. Quando Mahaprabhu era um sannyasi, todos o chamavam de”Mahaprabhu”, que significa “grande mestre”. Já em Navadvipa, Ele era conhecido como Saci-nandana Gaurahari, Nimai e Visnu Priya-pranadhana- o querido amado de Visnu Priya . Como um menino, ele ia de casa em casa e causava tanto mal-estar! Ele ia aos ghatas de banho e pregava peças, provocando as jovens que ofereciam adoração à Ganga devi. Furtando seus apetrechos e ingredientes para realizar a adoração, Ele lhes dizia: “Oh, adore-me! Primeiro me adore, depois adore Ganga. Se vocês não me satisfizerem, se vocês não me derem alguns doces, então eu as amaldiçoarei a terem um marido velho e com muitas esposas. Ganga e Durga são minhas servas.” Quando Ele falava assim, as meninas tampavam os ouvidos e saíam correndo!

Navadvipa-dhama não é diferente de Vrndavana, e é mais elevada porque é a madhurya-dhama. É a morada transcendental dos dulcíssimos passatempos humanos do Senhor. Aqui não há qualquer aisvarya (humor de opulência, respeito). Mahaprabhu é simplesmente o querido menininho de Saci Mata, sua mãe.

Navadvipa-dhama não é diferente de Vrndavana, e é mais elevada porque é a madhurya-dhama. É a morada transcendental dos dulcíssimos passatempos humanos do Senhor. Aqui não há qualquer aisvarya (humor de opulência, respeito). Mahaprabhu é simplesmente o querido menininho de Saci Mata, sua mãe.

Ele ia a Kholavecha Sridhara e, embora Ele seja o Senhor Supremo e possua todo o universo, Ele costumava brigar com Sridhara sobre o preço das flores de bananeira. Ele dizia: “As glórias de Ganga vêm de Mim.” Kholavecha Sridhara dizia: “Não fala assim! Você não tem medo de desrespeitar Ganga?” Desta forma, madhurya-lila, passatempos humanos, ocorriam em Navadvipa-dhama.

Depois que seu pai desapareceu deste mundo, Mahaprabhu foi para Gaya para executar os rituais. Lá ele conheceu Srila Isvara Puripada e lhe disse: “Eu entrego este corpo aos Seus pés de lótus.”

prabhu bale gaya-Yatra Safal amara
yata khane dhekilam carana tomara
samsara samudra Hoite uddharo more
ei ami deho samarpilama tomare

(Caitanya-bhagavata, Adi-lila 17)

Ele voltou a Navadvipa após receber diksa. A partir de então, Ele começou a saborear krsna-prema no humor das gopis, e especialmente no humor de Radhika – mas não plenamente. Ele então aceitou sannyasa e partiu para Puri. Lá, Ele experimentou mais profundamente os humores das gopis, especialmente o humor de separação quando Krsna foi para Mathura. Então ele foi para Godavari, onde mostrou a Sri Raya Ramananda Sua inacreditável forma Rasaraja / Mahabhava – Krsna segurando sua flauta, Seus olhos vermelhos de êxtase, e Sua forma completamente coberta pelo brilho de Radhika. Cada membro de Radhika estava coberto pelos membros de Krsna, e o corpo de Krsna estava coberto com a compleição dourada de Srimati Radhika. E ainda, embora Ele estivesse coberto por essa compleição dourada, algum brilho negro emanava através de Seu corpo. Krisna é Rasaraja e Radhika é Mahabhava. Aqui, Rasaraja e Mahabhava estão combinados (em uma forma). Ramananda nunca tinha visto esta forma anteriormente, e assim que ele viu, ele caiu inconsciente.

Este passatempo é extremamente elevado, mas podemos dizer que Godavari é superior a Navadvipa? Muitas pessoas que não conhecem tattva (conclusões filosóficas) dizem que Godavari é o local mais elevado porque a forma Rasaraja/ Mahabhava de Caitanya Mahaprabhu foi exibida lá. Porém, não podemos dizer que Godavari é superior,  porque há muita opulência neste passatempo.

Existe Jagannatha Puri, onde Mahaprabhu esteve absorto em Radha-bhava (sentimentos transcedentais de Radha) com Svarupa Damodara e Raya Ramananda, recitando versos de Candidasa, Vidyapati, Gita Govinda e Jagannatha-Vallabha-Nataka de Raya Ramananda.

candidasa, vidyapati, rayera nataka-giti,
karnamrta, sri-gita-govinda
svarupa-ramananda- sane, mahaprabhu ratri-dine,
gaya, sune – parama ananda

(CC Madhya 2.77)

Eles também poderiam ler os versos do Srimad-Bhagavatam encontrados no Venu-gita, Gopi-gita, Yugala-gita, Pranaya-gita e Bhramara-gita. Mahaprabhu ficava absorto em bhava durante toda a noite, e saboreava essas e outras canções, como: “Jaya nanda-nandana Gopi-jana-vallabha “[Interrupção da palestra – sob o pedido de Srila Narayana  os devotos cantaram este kirtana.]

Em seguida, Navadvipa. Que passatempos ocorreram aqui? Eles não podem nem mesmo serem descritos. Há ainda um outro ponto sobre

Srimati Radhika é a mais elevada morada de prema. Mas ela própria tem três aspectos: um é a raiz, e os outros dois são suas expansões. Em Vrndavana, especialmente em Govardhana, Nandagaon,Varsana, Radha-Kunda, Syama-kunda e locais semelhantes, Ela éVrsabhanu-nandini. Ela é a raiz e inclui Suas expansões também. Ela nunca deixa Vrndavana.

Srimati Radhika é a mais elevada morada de prema. Mas ela própria tem três aspectos: um é a raiz, e os outros dois são suas expansões. Em Vrndavana, especialmente em Govardhana, Nandagaon,Varsana, Radha-Kunda, Syama-kunda e locais semelhantes, Ela éVrsabhanu-nandini. Ela é a raiz e inclui Suas expansões também. Ela nunca deixa Vrndavana.

Navadvipa-dhama a se  considerar. Srimati Radhika é a mais elevada morada de prema. Mas ela própria tem três aspectos: um é a raiz, e os outros dois são suas expansões. Em Vrndavana, especialmente em Govardhana, Nandagaon,Varsana, Radha-Kunda, Syama-kunda e locais semelhantes, Ela éVrsabhanu-nandini. Ela é a raiz e inclui Suas expansões também. Ela nunca deixa Vrndavana. Em Nandagaon (Uddhava Kyari) Ela é Viyogini Radha, após Krsna ir para Mathura. A loucura espantosa da separação da qual Ela experimentou como Viyogini Radha foi registrada no Bhramara-gita.

Como Samyogini Radha, Ela passou três meses em Kurukshetra, onde se encontrou  com Sri Krsna. Embora este seja o aspecto no qual Radhika encontra-se com Krsna em Kurukshetra, seu desejo não pode ser realizado; Ela queria voltar para Vrndavana. É o mesmo Krsna em Kurukshetra, mas vestido de forma diferente.Sem a flauta em sua  mão e a pena de pavão em sua cabeça; Ele não é Yasoda-nandana / Nanda-nandana / Radha-kanta- Ele não é mais conhecido por esses nomes. O humor aqui é muito diferente, existem tantos elefantes, cavalos, um enorme exército,Vasudeva,   Devaki e todos os seus associados estão presentes.

Lá, não há florestas como em Vrndavana, não existe o Yamuna, não existem pavões e nenhum veado. Srimati Radhika diz a Sri Krisna, “Meu coração não está satisfeito. Não há sequer uma gota do oceano de rasa de Vrndavana aqui em Kurukshetra. Eu não quero ficar aqui. “

Krisna disse a ela: “Você deveria meditar, e então realizaria que está sempre comigo. Se Você  meditar, Meus pés de lótus aparecerão em Seu coração. “

Ela respondeu:

anyera hrdaya-mana, mora mana-vrndavana,
mane vane eka kari jani
tahan tomara pada-dvaya, karaha yadi udaya,
tabe tomara parna krpa mani

(CC Madhya 13.137)

“Nosso coração e mente são um só, e nossa mente é Vrndavana. Então você deve voltar para Vrndavana.” Este é o significado do Ratha-yatra. O carrinho ratha é a carruagem da mente e do desejo de Radhika, levando o Senhor Krisna de  volta para Vrndavana, de volta à Vraja (Representado pelo templo Gundica). Samyogini significa que existe samyoga, uma encontro entre Radha e Krisna, mas Radhika quer voltar para Vrndavana. Ela quer voltar para a floresta de árvores vetasi; isto é, a floresta de árvores kadamba, a floresta que é perfumada com o doce  aroma das  flores  beli, cameli e juhi. Ela quer levar Krsna para lá.

Portanto, primeiramente Radhika é Vrsabhanu-nandini Radhika. Secundariamente Ela é Viyogini Radhika, que está sempre em um humor de separação e absorta em citrajalpa, prajalpa, divyonmada e outras bhavas. E em Kurukshetra Ela é Samyogini Radhika. Ela se encontra com Krsna, mas não há felicidade, porque todos os estímulos doces de Vrndavana estão ausentes. Kurukshetra é preenchida com muitos elementos externos que são contrários aos de Vraja-prema. Portanto,  Radhika coloca Krsna na carruagem de sua mente, e junto com todas as outras gopis, traz Sri Krsna de volta para Vrndavana. Este é o significado do Ratha-yatra, e estes são os humores que Mahaprabhu saboreou em Jagannatha Puri.

Em Navadvipa-dhama, Mahaprabhu é igualmente de três tipos. Ele veio no o humor de Radhika. Sempre pensando que é Radhika, esquecendo que é Krsna. Ele então foi para Puri e manifestou os humores de separação de Radhika. Às vezes, Ele era trancado dentro do quarto chamado Gambhira, cantando harinama. Ao ouvir o som da flauta de Krsna, de alguma forma, atravessava os sete portões de ferro trancados e corria para o oceano como se fosse um peixe, e flutuava em suas ondas por toda a noite, sendo levado as vezes para muito longe

Em Navadvipa-dhama, Mahaprabhu é igualmente de três tipos. Ele veio no o humor de Radhika. Sempre pensando que é Radhika, esquecendo que é Krsna. Ele então foi para Puri e manifestou os humores de separação de Radhika. Às vezes, Ele era trancado dentro do quarto chamado Gambhira, cantando harinama. Ao ouvir o som da flauta de Krsna, de alguma forma, atravessava os sete portões de ferro trancados e corria para o oceano como se fosse um peixe.

Em Navadvipa-dhama, Mahaprabhu é igualmente de três tipos. Ele veio  no o humor de Radhika. Sempre pensando que é Radhika, esquecendo que é Krsna. Ele então foi para Puri e manifestou os humores de separação de Radhika. Às vezes, Ele era trancado dentro do quarto chamado Gambhira, cantando harinama. Ao ouvir o som da flauta de Krsna, de alguma forma, atravessava os sete portões de ferro trancados e corria para o oceano como se fosse um peixe, e   flutuava em suas ondas por toda a noite, sendo levado as vezes para muito longe.Seu corpo se adotava sete longos braços. Estes passatempos são incomuns, não vistos na forma de vida humana. Em Puri apenas 3 ½ pessoas poderiam testemunhar Sua forma e humores, e eles são Svarupa Damodara, Raya Ramananda, Sikhi Mahiti e a irmã de Sikhi Mahati, Madhavi Devi. Ninguém mais podia pessoalmente testemunhar isso.

Certa vez, Srila Svarupa Damodara e Srila Raya Ramananda procuraram por Mahaprabhu ao longo da praia, durante toda a noite, chamando em voz alta: “Onde está você?” Eles se encontraram com  um pescador que estava tremendo, chorando incontrolavelmente e gritando: “Krisna, Krisna, Krisna!” Ele gritou: “Oh, fui possuído por um fantasma. Toquei em alguém que boiava no mar e fui pego por um fantasma.” Svarupa Damodara assegurou-lhe: “Eu  removerei o fantasma, mas mostre-nos a  pessoa a quem você tocou.” Ele os levou até  Sri Caitanya Mahaprabhu, que estava deitado na rede do pescador. Parecia que ele não tinha ossos; toda  as suas articulações se desarticularam umas das outras. No Srimad-Bhagavatam, tais incidentes não são descritos. Assim, Mahaprabhu experimentou as emoções transcendentais de Radharani.

No humor de Viyogini Radhika, Mahaprabhu, às vezes, ia para o Jagannatha-vallabha, o jardim perto do templo de Jagannatha. À noite os devotos O procuravam e O encontravam lá. Às vezes, eles O encontravam deitado inconsciente entre as vacas que estavam comendo sobra de prasada do templo, e todos os seus membros estavam para dentro de seu corpo. Essas atividades surpreendentes são descritos apenas no Caitanya-caritamrta.

Na asta-kaliya-lila (os passatempos secretos diários de Radha Krsna em Vrindavana), Krsna realiza passatempos com Radhika, Lalita, Visakha e todas as gopis – passatempos da madrugada, passatempos matinais, passatempos do final da manhã, passatempos do meio-dia, da tarde e passatempos noturnos. Nessas oito divisões de passatempos do nascimento de Krishna, a morte de Kamsa e sua ida a Mathura e Dvaraka não ocorrem. Da mesma forma, na asta-kaliya-lila de Mahaprabhu Ele não vai para Puri ou para Godavari.

Não há nascimento em Mayapura, e não há liberação de Jagai e Madhai e Cand Kazi. Estes são parte da naimittika-lila. A nitya-lila ocorre apenas em Vraja, e apenas em Navadvipa, que é idêntico a Vrndavana. Asta-kaliya-lila é a vida e a riqueza de nossa sampradaya (sucessão discipular), onde nada além do mais doce dos doces passatempos ocorrem. Somente aqueles que são qualificados podem meditar nestes passatempos; pessoas não qualificadas são barradas. Para aqueles que são qualificados, esta meditação é contínua, por todo dia e noite.

Se você quiser adentrar nesta meditação, você deve desistir da inveja e das desavenças. Se você tem luxúria, ira, ganância, violência, inveja, etc., em seu coração, como pode sequer pensar sobre estes passatempos? Srila Rupa Gosvami aconselhou:

krsneti yasya giri tam manasadriyeta
diksasti cet pranatibhis ca bhajantam isam
susrusaya bhajana-vijnam ananyam anya-
nindadi-sunya-hrdam ipsita-sanga-labdhya

(Upadesamrta- verso 5)

Se queremos adentrar em bhakti pura, devemos honrar os Vaisnavas, de acordo com o nível de cada um. Abandone toda a raiva. Desista de toda inveja e tente honrar os Vaisnavas adequadamente. Se alguém tiver alguma inveja em seu coração,  não poderá meditar sobre Navadvipa-dhama e Vraja-dhama, onde aasta-kaliya-lila está eternamente acontecendo. Lembrem-se que asta-kaliya-lila requer  absorção completa do coração 24 horas por dia- de um lado Gaura-lila e do outro lado de Krishna-lila – como será possível se você tiver qualquer inveja em seu coração? É preciso transcender todos os anarthas:

duhkhesv anudvigna-manah
sukhesu vigata-sprhah
vita-raga-bhaya-krodhah
sthita-dhir munir ucyate

(Bhagavatam 2.56)

Aquele que pode meditar constantemente é chamado sthita-dhir muni. Aqueles que são capazes de meditar em asta-kaliya-lila são duhkhesv anudvigna-manah. Quando enfrentam problemas em suas vidas, eles nunca são perturbados. Quando o sucesso chega, eles nunca se tornam exultantes ou comemoram. Eles são equânimes na  felicidade e no sofrimento. Eles nunca ficam irritados com ninguém; eles não são apegados a nada neste mundo; e eles não têm medo de nada. Se você não está livre de anarthas, você não poderá meditar sobre os passatempos. Srila Rupa Gosvami nos instrui: vaco vegam manasah krodha vegam Jihva vegam udaropastha vegam. Se você não pode controlar sua língua, barriga, etc., você não pode meditar.

Se queremos adentrar em bhakti pura, devemos honrar os Vaisnavas, de acordo com o nível de cada um. Abandone toda a raiva. Desista de toda inveja e tente honrar os Vaisnavas adequadamente. Se alguém tiver alguma inveja em seu coração, não poderá meditar sobre Navadvipa-dhama e Vraja-dhama, onde aasta-kaliya-lila está eternamente acontecendo.

Se queremos adentrar em bhakti pura, devemos honrar os Vaisnavas, de acordo com o nível de cada um. Abandone toda a raiva. Desista de toda inveja e tente honrar os Vaisnavas adequadamente. Se alguém tiver alguma inveja em seu coração, não poderá meditar sobre Navadvipa-dhama e Vraja-dhama, onde aasta-kaliya-lila está eternamente acontecendo.

Srila Rupa Gosvami deu uma dica sobre a asta-kaliya-lila de Mahaprabhu e asta-kaliya-lila de Radha-Krisna. Em seu Sriman Mahaprabhor Smarana Mangala Stotram. Visvanatha Cakravarti Thakura, em Krsna Bhavanamrta Mahavakhya, disse para meditar na asta-kaliya-lila de Mahaprabhu e depois na Krsna asta-kaliya-lila. No meio da noite Sri Caitanya Mahaprabhu realiza maha-sankirtana rasa na casa de Srivasa Thakura. Depois disso, ele descansa um pouco. Durante nisanta-lila, os passatempos no final da noite, ele medita sobre Nisanta-lila de Krsna. No início da manhã Ele volta para casa e vai com seus amigos banhar-se no Ganges, estando o tempo todo absorto nas lilas de Radha e Krishna matinais. Então Ele adora sua deidade, após Ele toma prasada e vai para o kirtana. Esta é Sua asta-kaliya-lila. Estes passatempos ocorrem em Navadvipa Dhama.

A Asta-kaliya-lila não ocorre em Puri ou Godavari. Em seus últimos dias em Puri, Mahaprabhu estava profundamente absorto nos humores de Radhika. Isso aparentemente não aconteceu em Navadvipa, por isso, se você comparar Navadvipa-lila com Puri-lila, parece que  Puri-lila ésuperior. Mas este é o naimittika-lila. Mahaprabhu nasceu em Navadvipa, mas este é sua naimittika-lila (passatempos temporários).A liberação que Mahaprabhu deu a Jagai e Madhai e Cand Kazi é naimittika-lila. Não existe conversão de muçulmanos no nitya-dhama de Svetadvipa. Muitas pessoas comparam a naimittika-lila de Mahaprabhu em Navadvipa com a Sua naimittika-lila em Puri e concluem que Puri é mais elevado. Mas nós não devemos comparar os dhamas na perscpectiva de naimittika-lila; é a nitya-lila que determina a superioridade do lugar. Sri Caitanya Mahaprabhu não tem nitya-lila ou asta-kaliya-lila em Godavari ou em Jagannatha Puri. Seu nitya-lila, ou asta-kaliya-lila, é apenas em Navadvipa-dhama.

Em Puri, Mahaprabhu saboreou a mohan-mahabhava (sentimento mais elevado) de Radhika e passou por muitas transformações corporais. Em Navadvipa não vemos qualquer mudanças na sua forma. Quando madan-bhava é manifesto, não é necessário que haja qualquer exibição espetacular de formas mutáveis. Em Vraja, Radha e Krishna poderiam simplesmente estar sentados juntos no balanço, e Radhika estaria saboreando Sua maravilhosa madanakhya-mahabhava, enquanto Krsna testificava o Prema delA. A maioria das pessoas não pode apreciar ou entender quão belo e elevado é isso, porque Radhika é tão perita que ela é capaz de não apresentar sintomas externos de sua mais alta madanakhya-bhava.

Navadvipa-dhama está oculta em Vrndavana. Jagannatha Puri nunca é chamada de Vrndavana; ele é chamada de Dvaraka. Navadvipa é realmente Vrndavana. As doze florestas de Vrndavana e seus bosques estão presentes aqui de uma forma tortuosa, de forma oculta. O lugar que estamos sentados agora é Koladvipa.

Esta é, na verdade, Govardhana rasa-sthali. Modadrumadvipa é a floresta Bhandirvana, Samudra Gara é Kumudvana, Godrumadvipa é Nandagaon e Varsana, Jahnudvipa é Khadirvana, Rtudvipa é Radha-Kunda. Candra Sarovara também está próxima. Todos os locais de passatempos de Radha e Krisna estão disponíveis para que Sri Caitanya Mahaprabhu se lembre em Sua Navadvipa-dhama. Mahaprabhu nasceu em Mayapura, mas em Mayapur não havia rasa-lila. Govardhana é rasa-sthali (local de doçuras). Todos esses locais de passatempos estão aqui na ilha de Koladvipa. Assim, é nossa boa fortuna que meu Gurudeva tenha estabelecido sua Matha aqui em Govardhana.

Deve-se vir a Navadvipa-dhama, abrigar-se em Sri Caitanya Mahaprabhu, e ser muito cuidadoso em observar trnad api sunicena taror iva sahisnuna amanina manadena kirtaniya sada hari. Sempre cante e dance, e dê respeito aos outros. Não exija respeito de ninguém. Tolerar todas as dificuldades e se considerar mais insignificante do que uma folha de grama. Se você fizer isso, muito facilmente conquistará Krsna-prema, amor puro por Krsna.

Deve-se vir a Navadvipa-dhama, abrigar-se em Sri Caitanya Mahaprabhu, e ser muito cuidadoso em observar trnad api sunicena taror iva sahisnuna amanina manadena kirtaniya sada hari. Sempre cante e dance, e dê respeito aos outros. Não exija respeito de ninguém. Tolerar todas as dificuldades e se considerar mais insignificante do que uma folha de grama. Se você fizer isso, muito facilmente conquistará Krsna-prema, amor puro por Krsna.

Deve-se vir a Navadvipa-dhama, abrigar-se em Sri Caitanya Mahaprabhu, e ser muito cuidadoso em observar trnad api sunicena taror iva sahisnuna amanina manadena kirtaniya sada hari. Sempre cante e dance, e dê respeito aos outros. Não exija respeito de ninguém.  Tolerar todas as dificuldades e se considerar mais insignificante do que uma folha de grama. Se você fizer isso, muito facilmente conquistará Krsna-prema, amor puro por Krsna.

vancha kalpa tarubyas ca krpa sindhubhya eva ca
patitanam pavanebhyo vaisnavebhyo namo namah

Jay Sri Caitanya Mahaprabhu ki! Jay!]
Jay Srila Gurudeva ki! Jay!
Jay Sri Navadvipa dhama ki! Jay!!!