O Dia do Desaparecimento de Srila Gadadhara Pandita e Srila Bhaktivinoda Thakura

Santos Nomes
16 de abril de 2015
Calendário Vaisnava- Abril 2015
20 de abril de 2015

O Dia do Desaparecimento de Srila Gadadhara Pandita e Srila Bhaktivinoda Thakura

Neste ano de 2017, 23 de junho, é a data do auspicioso desaparecimento de Srila Gadadhara Pandita e de Srila Bhaktivinoda Thakura. É com imensa felicidade que apresentamos uma aula dada por Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja sobre as glórias de Srila Gadadhara Pandita, no dia 07 de outubro de 2001, em Sri Jagannatha Puri. Enviamos também uma biografia de Srila Bhaktivinoda Thakura escrita por Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja.

Durante o mês de outubro em 2001, Srila Gurudeva levou centenas de peregrinos de fora da India para o Parikrama (peregrinação) a vários locais sagrados,  onde foram realizados os passatempos de Sri Caitanya Mahaprabhu, em Jagannatha Puri. No dia 7 de outubro, Ele levou os peregrinos ao Parikrama em Tota Gopinatha Mandira. Tota Gopinatha é a Deidade manifestada por Sriman Mahaprabhu. Tota Gopinatha é a Deidade na qual Sri Caitanya Mahaprabhu entrou no momento de Seu desaparecimento neste mundo. Aqueles que se aproximaram do lado de fora do templo no lado esquerdo, puderam ver o adorável  jardim onde Mahaprabhu ouvia o Srimad-Bhagavatam de Sri Gadadhara Pandita. Srila Gurudeva falou no templo em Hindi, Bengali e Inglês.

Tota Gopinatha

Gaura-Gadadhara

Gaura-Gadadhara

Não se deve pensar que, quando Sri Caitanya Mahaprabhu  aceitou o bhava (sentimentos transcendentais) de Srimati Radhika Ela foi anulada. Em um teatro, pode-se fazer o papel de alguém que está presente na platéia. Essa segunda pessoa não se torna anulada. Alguém pode interpretar Radha e Krsna, mas Radha e Krsna também podem estar presentes, observando. Da mesma forma, quando o Senhor Sri Krsna ‘aceitou’ o bhava de Radhika e tornou-se Sri Caitanya Mahaprabhu, Ela também estava presente, observando, sob a forma de Sri Gadadhara Pandita.

Radhika veio na forma de Sri Gadadhara. É de extrema importância conhecer Gadadhara-tattva, as verdades filosóficas estabelecidas sobre Sri Gadadhara Pandita. Não há diferença entre Sri Gadadhara Pandita e Srimati Radhika, mas as atividades são diferentes nos passatempos de Krsna e nos passatempos de Gaura. Em Gaura-lila, Sri Gadadhara Pandita está no humor de um servo.

Nenhuma gopi, incluindo Candravali, Lalita e Visaka, são qualificadas para experimentar o madanakya-mahabhava de Srimati Radhika (seu mais elevado tipo de amor extático). Krsna experimenta os sentimentos amorosos extáticos de rudha e adirudha, mas não madanakhya-mahabhava. Sri Gadadhara Pandita, por outro lado, possui madanakya-mahabhava. Em Gaura-lila, no entanto, este sentimento está coberto, de modo que Gadadhara Pandita possa ajudar Krsna a desempenhar o papel de Srimati Radhika. Na forma de Sri Gadadhara Pandita, Srimati Radhika está olhando e cuidando, para que se houver algo de errado em Krsna (na forma de Mahaprabhu), ela possa corrigir.

Sri Gauranga não é nagara (o amante masculino). Ninguém pode servir a Gauranga pensando ser uma gopi e pensando em Gauranga como Sri Krisna. Todos devem servi-lo em dasya-bhava. Ninguém deve pensar: “Eu sou Lalita, Visakha, ou qualquer outra gopi.” Este equívoco é denominado gauranga-nagari-vada.

É possível para Krsna ser o desfrutador dos humores conjugais, mas não para Mahaprabhu. Ele está sempre no papel de uma gopi, Srimati Radhika. Qualquer pessoa pode servir Mahaprabhu em dasya-rasa (humor de servo), mas não em madhurya-rasa(humor de amante). Neste passatempo, isso seria um absurdo. O Sri Caitanya-caritamrta diz que este vada, gauranga-nagari-vada * [nota], é sahajiya. A escritura Caitanya-bhagavata, e todo o nosso guru-parampara rejeita essa ideia, e Srila Visvanatha Cakravarti Thakura derrotou este argumento.

Sri Gadadhara Pandita é Srimati Radhika, e ele, portanto possui madanakya mahabhava, mas Ele quer servir Mahaprabhu. Ele quer fazer o que Krsna quer, e assim ele encobre esta madhurya-bhava (sentimento romântico). Sri Gadadhara Pandita sabe o que Mahaprabhu quer: Mahaprabhu quer desempenhar o papel de Srimati Radhika. Desde o começo Ele está no humor de Radha, e Ele está cantando “Krsna prananatha (meu amado Krsna)!”

Deidade de Tota- Gopinatha

Deidade de Tota- Gopinatha

Ele veio aqui para Tota-Gopinatha ouvir o Srimad-Bhagavatam de Sri Gadadhara Pandita, a própria Srimati Radhika, para aprender melhor como desempenhar o papel delA. Em sua compreensão mais profunda, o Srimad-Bhagavatam realmente desvela as glórias dos humores de Srimati Radhika.

vande nanda-vraja-strinam
pada-renum abhiksnasah
yasam hari-kathodgitam
punati bhuvana-trayam
(Srimad Bhagavatam 10.47.63)

“Eu ofereço repetidamente meus respeitos à poeira dos pés das mulheres que residem na aldeia do vaqueiro Nanda Maharaja. Quando essas gopis cantam bem alto as glórias de Sri Krisna, a vibração purifica os três mundos. “

Por que Mahaprabhu veio para ouvir Sri Gadadhara Pandita? Desde que Sri Gadadhara Pandita é Srimati Radharani, ele foi capaz de explicar os humores dela descritos no Srimad-Bhagavatam. As explicações de Gadadhara Pandita são as maiores explanações e glorificações do humor de Radha. Suas explicações são mais elevadas que as de Vyasa, Sukadeva, e as do próprio Krsna. Mahaprabhu veio aqui para conhecer as glórias de todas as gopis, especialmente de Srimati Radharani.

sri-gopya ucuh
aksanvatam phalam idam na param vidamah
sakhyah pasun anuvivesayator vayasyaih
vaktram vrajesa-sutayor anuvenu-justam
yair va nipitam anurakta-Kataksa-moksam
(Venu-gita, verso7)

Gopastami 2“As gopis começaram a falar entre si: Oh sakhis! Nós achamos que para aqueles que têm olhos, não existe nada além de um objeto palatável à visão; O sucesso dos olhos encontra-se em contemplar apenas este objeto; não conhecemos nada além dele. E qual é o objeto mais precioso de apego para os olhos? É a visão dos dois filhos de Nanda Maharaja, Sri Krisna e Baladeva, acompanhado dos gopas, quando eles entram na floresta levando as vacas, ou quando estão trazendo-as de volta para Vrndavana. Eles seguram Suas flautas em Seus lábios e olham para nós com sorrisos suaves e olhares de soslaio apaixonantes, cheios de amor! Neste momento, nós bebemos a doçura de seus rostos. “

Este verso no Venu-gita do Srimad-Bhagavatam é falado por Radhika e as gopis quando Krsna vai pastorear. Sri Krsna está atrás e Baladeva está na frente. Krsna está tocando sua flauta e procurando Srimati Radhika. Srimati Radhika vem e rouba Sua flauta, e Ele começa a olhar para Ela com olhares de soslaio. Se a própria Srimati Radhika explicar este passatempo, dizendo: “Meu humor era este ou aquele”,  esta certamente é a melhor explicação.

mrgayur iva kapindram vivyadhe lubdha-dharma
striyam akrta virupam stri-jitah kama-yanam
balim api Balim attvavestayad dhvanksa-vad yas
tad alam dustyajas Asita-sakhyair tat-katharthah
(Srimad Bhagavatam 10.47.17)

“Como um caçador, ele cruelmente atirou flechas no rei dos macacos. Por ter sido conquistado por uma mulher, Ele desfigurou outra mulher que o procurou cheia de desejos amorosos. E, mesmo após utilizar os artefatos de Bali Maharaja, Ele o amarrou com cordas como se ele fosse um corvo. Por isso, deixe-me abandonar toda a amizade com este menino de compleição enegrecida, mesmo se não formos capazes de parar de falar dele. “

Este verso e o abaixo foram proferidos por Radhika no Uddhava Kyari, quando Krsna estava residindo em Mathura. Os significados mais profundos destes versos foram revelados a Mahaprabhu por Gadadhara Pandita Prabhu:

yad-anucarita-lila-karna-piyusa-viprut-
sakrd-Adana-vidhuta-dvandva-dharma vinastah
grha-kutumbam sapadi dinam utsrjya dina
bahava iha vihanga bhiksu-caryam Caranti
(Srimad Bhagavatam 10.47.18)

Srimati Radhika

Srimati Radhika

“Ouvir sobre os passatempos que Krsna realiza regularmente, é néctar para os ouvidos. Para aqueles que saboreiam apenas uma única gota deste néctar, a dedicação à dualidade material que possuem é arruinada de imediato. Muitas destas pessoas repentinamente abandonam suas casas e famílias desafortunadas ​​e, eles mesmos se tornam mendicantes, viajando daqui para Vrindavana, vagueando como pássaros, esmolando para manter suas vidas.”

Sri Caitanya Mahaprabhu veio aqui para ouvir, e quando ouviu, Ele desmaiou. Tanto ele quanto Sri Gadadhara Pandita desmaiaram. Gadadhara Pandita sabia que por Mahaprabhu ouvir delE, desempenharia de forma perfeita o papel de Srimati Radhika. Srimati Radhika é a principal na Universidade do Srimad-Bhagavatam, em matéria de saborear seus significados.

Havia 3  1/2 associados confidenciais de Sri Caitanya Mahaprabhu no Gambhira.

Por que Sri Gadadhara Pandita não era um deles? Ele é superior a esses outros associados confidenciais. Este é um segredo oculto. Se Sri Gadadhara Pandita estivesse lá, o sentimento de separação de Mahaprabhu não teria emergido. Na associação com Srimati Radhika, Ele teria pensado ser Krsna.

Um dia, após ouvir o Srimad Bhagavatam, Mahaprabhu estava sentado na areia aqui em Cataka Parvata, que ele considerava ser Govardhana. Ele disse a Gadadhara Pandita: “Gadadhara, quero te dar meu bem mais valioso. Você aceitaria? “Quando Gadadhara Pandita concordou, Mahaprabhu disse: “Esta é a propriedade do meu coração.” Ele começou a remover a areia e disse: “Meu prana-dhana (amada riqueza de minha vida) está aqui”, no humor de Srimati Radhika. Ele mostrou a cabeça e a coroa de Gopinatha, e todos começaram a ajudar a revelar Sua forma. Mahaprabhu então pediu a Sri Gadadhara Pandita, “Por favor, leve-o e sirva-o por toda sua vida.”

No momento do Seu desaparecimento, Mahaprabhu entrou na Deidade de Tota-Gopinatha. Mahaprabhu deixou este mundo aos 48 anos, quando Sri Gadadhara Pandita tinha 47. Em profunda separação, Gadhadara Pandita tornou-se rapidamente envelhecido, e logo também desapareceu. Vemos nos passatempos de Krsna que a esposa de Sudama Vipra parecia uma pessoa de idade. Ela era jovem, mas muitíssimo magra como uma idosa, praticamente sem seios e sem forma. Era quase um esqueleto. Do mesmo modo, em seu humor de separação de Mahaprabhu, Sri Gadadhara Pandita também tinha aparência semelhante, e logo desapareceu.

 

MAIS SOBRE SRI GADADHARA PANDITA PRABHU

Jagannatha Puri: darsana de 13 de outubro de 2001

Srila Gurudeva: Gadadhara Pandita está sempre servindo a Krsna. Dentro da Krsna-lila, o que quer que Krsna deseje, Srimati Radhika sempre O serve mais do que Candravali, Lalita, Visakha, e todos as outras. Seu humor é satisfazer a Krsna. Em Mahaprabhu-lila, porque Krsna deseja apreciar a Si mesmo, Ele aceita o humor de Radhika, e Ela responde em conformidade: “Ele quer isso, para que eu não o perturbe. Se eu o ajudar nisso, este será o Meu serviço. “Você compreende?

Quando Mahaprabhu estava chamando, “Krsna! Krsna! Ó Prananatha!” Radhika estava lá, mas como um servo obediente. Ela estava em um humor daksina (submisso). A relação de um dasa (servo) sempre é constituída de um humor daksina. Sri Gadadhara Pandita foi ainda mais daksina do que Rukmini. Rukmini às vezes sentia maan (raiva amorosa transcendental), mas Sri Gadadhara Pandita não era assim. Se Ele estivesse em um humor de vamya (esquerda ou insubmissão), teria sido desfavorável ao clima de Krsna como Mahaprabhu. Gadadhara Pandita sempre pensava: “Eu sou Seu servo.” Se ele tivesse dito a Mahaprabhu: “Meu querido Krsna, meu amado querido”, o humor de Mahaprabhu teria sido perturbado.

Tunga-vidya dasi: Isso foi em Puri. Mas qual era o humor em Navadvipa?

Srila Gurudeva: Em Navadvipa também. Naquele tempo Gauranga também chamava por “Krsna, Krsna”, não “Radha, Radha.” Mas naquele período Ele não havia sido treinado. Ele ainda não havia sido admitido na escola de Visakha – Sri Svarupa Damodara. Naquele período também, Gadadhara Pandita sempre servia como um servo obediente, cobrindo todos os seus humores como Srimati Radhika.

Tunga-vidya dasi: Mahaprabhu e Gadadhara Pandita estão no mesmo humor em nitya-Navadvipa Dhama também?

Srila Gurudeva: O mesmo humor. Gauranga não estava no humor de nagara (Krsna como o amante). Nunca o aceitamos como nagara.

Nota: De uma carta de Srila Bhaktivedanta Svami Prabhupada, 16 de junho de 1968:
“Um exemplo semelhante é o Senhor Caitanya. Embora Ele seja Krsna, apareceu como um devoto, não como a Suprema Personalidade de Deus. Devemos aceitar o humor do Senhor em aparições particulares e adorá-Lo de acordo com esses humores. Porque o Senhor Caitanya é o próprio Krsna, pode-se adorá-Lo da mesma maneira que Krsna. Mas Krsna estava no papel de desfrutador, e o Senhor Caitanya estava no papel de ser desfrutado. O caminho conhecido como gauranga-nagari é, portanto, considerado desviado do serviço devocional puro. Por conta disso foi dada ao Senhor Caitanya a mesma facilidade que Krsna, o que Ele não gosta. Nosso humor de serviço deve ser compatível com a atitude do Senhor. Não significa que devamos sobrepor a atitude de Krsna sobre o Senhor Caitanya, ou do Senhor Caitanya sobre Krsna, ou de Krsna sobre Ramacandra ou de Ramacandra sobre Krsna”.

Jay Sri Gadadhara Pandita ki! Jay!!!

Retirado do site Pure Bhakti

___________________________________________________________________________

O Dia do Desaparecimento de Srila Bhaktivinoda Thakura

Srila Bhaktivinoda Thakura

Em 2017, 23 de junho, é o dia do divino desaparecimento de Srila Bhaktivinoda Thakura. Em homenagem a esta data especial, estamos enviando uma biografia escrita por Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja, o mestre espiritual do nosso querido Srila Gurudeva, Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja.

Srila Bhaktivinoda Thakura transmitiu as instruções transcendentais de Sri Caitanya Mahaprabhu em muitas línguas diferentes. Ele escreveu aproximadamente cem livros em Sânscrito, Bengali, Oriya, Hindi, Urdu e Inglês. Quando vemos a lista de seus livros, pode-se facilmente inferir que o autor era um grande erudito em muitas línguas diferentes.

Acredito que, neste momento, seja necessário lançar luz sobre as características especiais da vida do autor. Embora fosse um proeminente estudioso do pensamento ocidental, ele estava completamente livre das influências ocidentais. Educadores ocidentais afirmam: “Não me sigam, sigam minhas palavras”, ou, “faça o eu que digo, não o que faço.” A vida de Srila Bhaktivinoda refuta este princípio, por ele pessoalmente aplicar e demonstrar todas as instruções de seus livros em sua própria vida. Assim, suas instruções e a forma como realiza seu bhajana são conhecidos como ‘Bhaktivinoda dhara’ (a linha de Bhaktivinoda). Não há uma única instrução em seus livros que ele não tivesse seguido pessoalmente. Não há disparidade entre seus escritos e sua vida, entre suas ações e suas palavras. Eles são um, em todos os aspectos. É natural a curiosidade dos leitores em saber mais sobre essa grande personalidade que possui tal carácter extraordinário.

Os leitores do mundo moderno, em particular, aqueles que buscam saber sobre qualquer assunto, não podem ter fé nos escritos de um autor sem se familiarizar com ele. Assim, estou apresentando algumas palavras sobre Srila Bhaktivinoda Thakura. Quando se trata de discutir sobre a vida de grandes personalidades auto- realizadas que são transcendentais à existência mortal, seria um erro considerar seu nascimento, tempo de vida, e partida da visão deste mundo, serem semelhantes às dos meros mortais. Tais grandes almas estão além do nascimento e da morte, estando situadas na existência eterna, e suas idas e vindas deste mundo é estritamente uma questão de aparecimento e desaparecimento.

Srila Bhaktivinoda Thakura apareceu em 2 de Setembro de 1838, iluminando o céu do Gaudiya Vaisnavismo. Ele nasceu em uma família de classe elevada, em uma aldeia chamada Viranagara, que fica localizada no distrito de Nadiya, Bengala Ocidental, não muito longe de Sridhama Mayapura, o local do aparecimento de Sri Gauranga Mahaprabhu. Ele desapareceu deste mundo em 23 de junho de 1914, na cidade de Calcutá, no momento em que adentrava os passatempos do meio-dia de Sri Sri Gandharvika-Giridhari (Radha Krisna), que são objeto de suprema adoração para os Gaudiya Vaisnavas. Em seu curto tempo de vida de setenta e seis anos, ele instruiu o mundo pessoalmente, cumprindo os deveres das quatro fases da vida espiritual: brahmacarya (estudante celibatário), grhastha (religioso chefe de família), vanaprastha (retirado dos deveres mundanos ) e sannyasa (voto de renúncia formal). Ele primeiro passou por brahmacarya e obteve várias instruções elevadas. Depois disso, ele entrou na vida de grhastha, e deu o exemplo ideal de como manter os membros da família através de meios honestos e nobres. Todos os chefes de família devem seguir seu exemplo.

Durante sua vida familiar, ele viajou por toda a Índia como um oficial do alto escalão na administração e departamento de justiça do governo britânico da Índia. Por sua rigorosa discriminação e especialidade em habilidades administrativas, esta grande personalidade conseguiu regularizar e trazer a ordem mesmo àqueles lugares que eram infames como estados sem lei. Em meio aos deveres familiares, ele surpreendia a todos os seus contemporâneos pelo ideal religioso que demostrava. Embora envolvido em responsabilidades prementes, escreveu muitos livros em diferentes idiomas.

Se o leitor estudar a lista de seus livros, poderá deduzir claramente o inacreditável poder criativo de Bhaktivinoda. Após aposentar-se de suas responsabilidades governamentais, Srila Bhaktivinoda aceitou o estágio de vanaprastha e intensificou sua prática espiritual. Naquela época, ele estabeleceu um asrama no Surabhi-kunja, em Godrumadvipa, um dos nove distritos de Navadvipa. Ele permanecia lá e realizava bhajana por um tempo considerável. Mais tarde, aceitou a vida de um asceta, ficando no Svananda-sukhada-kunja, que era próximo. Enquanto residia lá, ele estabeleceu o lugar do aparecimento de Sri Caitanya Mahaprabhu e muitos outros lugares de gaura-lila.  Quanto a isso, ele seguia o exemplo de Mahaprabhu e Seus seguidores, os Seis Gosvamis, que tinham descoberto locais de nascimento e outros lugares de passatempos de Sri Krisna.

Se Bhaktivinoda Thakura não tivesse aparecido neste mundo, os locais de passatempos e as instruções de Sri Gauranga Mahaprabhu teriam desaparecido.  Dessa forma, todos os Gaudiya Vaisnavas possuem uma dívida com ele para sempre. É por esta razão que ele foi adornado com a mais elevada honra na comunidade Vaisnava, sendo intitulado como o  Sétimo Gosvami.

Jay Srila Saccidananda Bhaktivinoda Thakura ki! Jay!!!

Retirado do site Pure Bhakti