Seva-kunja, Imlitala, Lalita-kunda, Sri Radha-Damodara e Srngaravata

Início de Kartika-Vrata: Sankalpa com Srila Gurudeva
28 de outubro de 2015
Matavana, Mana-Sarovara, Bhadravana, Bhandiravana e Bhojana-sthala
30 de outubro de 2015

Seva-kunja, Imlitala, Lalita-kunda, Sri Radha-Damodara e Srngaravata

Dandavats Pranamas! Dia 27 de outubro é o quarto dia do Sri Vraja-mandala Parikrama 2018, e foram visitados locais muitos especiais como: Seva-Kunja, Imlitala, Templo Sri Radha Damodara, Lalita-Kunda e Srngaravata, onde Radha e Krsna vivenciaram doces passatempo. A seguir, apresentamos algumas aulas de Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja, extraídas de Seu livro Sri Vraja-Mandala Parikrama.

 

Seva-kunja

Seva-Kunja

Seva-Kunja

Esse local é chamado Nikunjavana. Ele fica localizado próximo ao templo de Sri Radha-Damodara. Uma pintura de Srimati Radhika e Sri Krsna massageando Seus pés é adorada aqui em um pequeno templo.

Os Vrajavasis dizem que mesmo hoje, o casal divino Sri Radhae Krsna, vivenciam Seus doces passatempos aqui todas as noites. Entretanto, todos deixam este kunja ao anoitecer. Mesmo os macacos imprudentes deixam este kunja ao cair da noite. Às vezes acontece de alguém obstinadamente tentar permanecer aqui durante à noite, e pela manhã aparecer morto. Outros, de alguma forma, escaparam da morte, mas se tornaram completamente loucos.

Bhakta Rasakhana procurou por Krsna por toda Vraja, porém não teve sucesso. Finalmente, ele teve o darsana de rasika Sri Krsna neste local. Ele revelou isso em sua bela poesia, a seguir:

dekhyoduryo vah kunj kutir mem         
baithyo palotat radhika payan

“Permanecendo na porta do kunja, fico admirando como Krsna massageia os pés de lótus de Radha de forma tão submissa.” (A palavra palota aqui indica que Krsna está massageando no seguinte humor: “Eu não irei para o kunja de Candravali novamente.”)

 

Imlitala

Imlitala

Imlitala

Nos momentos dos passatempos de Krsna em Vraja, a ancestral árvore Imli (tamarindo) que existia aqui era enorme! Esta árvore desapareceu, e desde então uma nova árvore Imli permanece neste local.

Em meio à Rasa-lila, Krsna desapareceu a fim de dissipar o orgulho das gopis devido a grande boa fortuna que tinham (saubhagya-mada), e para apaziguar o mana(raiva ciumenta) de sua Priyaji. Ele seguiu Priyaji até Srngaravata, onde Ele começou a decorá-la com belas flores. Nesse momento, as outras gopis que procuravam por Krsna, se aproximaram do local onde Radha e Krsna estavam. Sri Krsna pediu à Priyaji para deixarem o local, mas Ela disse:”Me sinto incapaz de caminhar, por favor me carregue em seus ombros.” Krsna se abaixou, indicando à Priyaji que sentasse em Seus ombros. Exatamente quando Ela ia fazer isso, Krsna desapareceu novamente. Agora, Ela também lamentava de separação: “Oh Natha, Oh Ramana!” e desmaiava. As outras gopis ficaram muitos angustiadas ao encontra-La nesta condição.

Tendo deixado Srimati Radhika, Sri Krsna também começou a sentir profunda separação. Sentado sobre a árvore Imlitala, às margens do rio Yamuna, Ele ficou tão absorto em pensamentos sobre Radha, que Seu brilho corpóreo se tornou dourado assim como o Dela. Relacionado a este acontecimento, nosso mais adorável Sri Srimad Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja nos presenteou com um maravilhoso verso que penetra fundo em nossos corações:

radha-cinta nivesena yasya kantir vilopita                                                  
sri-krsna caranam vande radhalingita vigraham
Sri Radha-vinoda-bihari Tattvastakam (1)

“Eu adoro os pés de lótus da forma manifesta por Sri Krsna quando Ele está profundamente imerso em separação de Srimati Radhika (quando Ela está em mana), ou quando Ele é abraçado por Srimati Radhika (após Seu mana ter sido abrandado). Nestes momentos, Sua compleição enegrecida desaparece e Ele assume o brilho dourado de Radha.”

Lalita-Kunda

Lalita-Kunda

Os sentimentos transcendentais originados do íntimo do coração de Sri Gurupadapadma são profundos e plenos de siddhanta perfeito. Este é o bhava das manjaris, as servas de Srimati Radhika, que sentem de fato que Krsna deve experimentar um intenso sofrimento quando Ele está separado Dela. Elas ficam satisfeitas ao ver a angústia Dele, e providenciam um encontro para Radha e Krsna nesse momento! Este bhava é proeminente nos Sri Rupanugas Gaudiya Vaisnavas.

Enquanto visitava Vraja, cerca de quinhentos e cinquenta anos atrás, Sri Caitanya Mahaprabhu residiu por muitos dias no Akrura-ghata. Diariamente, Ele vinha à esta belíssima Imlitala-ghata às margens do Yamuna, onde Ele permanecia imerso em bhava quando cantava os Santos Nomes do Supremo Senhor Hari. Ele concedeu Sua misericórdia ao Rajaputa Krsnadasa aqui.

Lalita- Kunda

No Seva-kunja, encontramos também o Lalita Kunda. Quando Lalita teve sede durante a dança da rasa, Krsna manifestou este bela kunda, cavando-o com sua flauta. Lalita e as sakhis beberam uma água doce e fresca do kunda, e refrescaram-se. Há uma árvore keli-kadamba nas proximidades, na qual cada entrelaçado da árvore se projeta para fora, se assemelhando a um Salagrama redonda.

Templo Sri Radha-Damodara

Sri Radha Damodara

Sri Radha Damodara

Este templo está situado dentro da área do Seva-kunja. Sri Rupa Gosvami costumava viver aqui em seu bhajana-kutira. Os Gosvamis e devotos contemporâneos se encontravam aqui para istagosthis e, nesses encontros entre Vaisnavas, Sri Raghunatha Bhatta elucidava o Srimad Bhagavatam em sua voz melodiosa! Sri Rupa Gosvami compilou o Sri Bhakti- rasamrta-sindhu, Ujjvala-nilamani e outros textos sagrados de Bhakti neste local. O jovem Sri Jiva Gosvami fazia todos os tipos de serviço a Sri Rupa Gosvami, que pessoalmente manifestou a deidade de Sri Radha-Damodara com Suas próprias mãos e ofereceu o serviço de adoração a Sri Jiva.

De acordo com o livro Seva-prakatya, Sri Radha-Damodara foi instalada em samvat 1599 (1543 AD) no mês de Magha (janeiro/ fevereiro), em Sukla-dasami.

A original Sri Radha-Damodara está agora em Jaipur, e Suas pratibhu-vigrahas, que são tão potentes quanto as deidades originais, estão agora em Vrindavana. No altar junto à Elas, estão Sri Vrindavana-candra, Sri Chailacikaniya, Sri Radha-Madhava, e outras.

Os samadhis de Sri Jiva Gosvami e Sri Krsnadasa Kaviraja Gosvami estão atrás do templo, e ao norte do templo estão o samadhi e bhajana-kutira de Sri Rupa Gosvami. Junto a este, está o samadhi de Sri Bugarbha Gosvami.

Sanatana Gosvami costumava fazer o parikrama de Govardhana diariamente. Em sua idade avançada, quando ele se tornou incapaz de fazer o Parikrama, Krsna veio como um menino, e deu a Ele uma Govardhana-sila. Ele instrui a Sanatana Gosvami para fazer o parikrama em volta desta sila. Nesta sila, estão impressas as pegadas de Krsna,  Sua flauta, e a patinha de uma vaca. Sanatana Gosvami trouxe esta sila para Vrindavana e circungirava-a diariamente. Após o seu desaparecimento, Sri Jiva Gosvami instalou a sila no templo de Sri Radha-Damodara e começou a adorá-la. O darsana desta sila é somente concedido sob pedidos especiais.

 

Srngarvata

Srngaravata.jpg 1

Srngarvata

Este local fica ao leste de Imlitala (em direção ao Kesi-ghata), nas margens do rio Yamuna. Enquanto pastoreava as vacas, Subala e os outros sakhas decoravam Krsna alegremente neste local, com diversas cores e ornamentos. A fim de quebrar o mana de Srimati Radhika, Sri Krsna decorou-a com belos enfeites feitos de flores fragrantes, que Ele pessoalmente colheu. Este passatempo é maravilhosamente descrito no Srimad Bhagavatam.

Krsna estava decorando Srimati Radhika, quando ouviu as vozes das gopis por perto. Krsna pediu à Srimatiji para rapidamente deixarem o local, mas Ela refutou, com a desculpa de estar cansada. Syamasundara então se abaixou e pediu à Ela para sentar-se em seus ombros, mas assim que Ela ia fazer isso, Ele desapareceu. Angustiada em separação, Sirimatiji desmaiou, lamentando:

ha natha ramana prestha kvasi kvasi maha-bhuja dasyas te krpanaya me sakhe darsaya sannidhim (Srimad Bhagavatam (10.30.39) )

“Oh mestre, amado, mais querido, onde está você? Onde está você? Por favor, Oh pessoa de armas poderosas, Oh amigo, mostre-se para essa Sua serva infeliz.”

Sri Krsna decorando Srimati Radhika, em Sringaravata.

Sri Krsna decorando Srimati Radhika, em Sringaravata.

Quando as sakhis encontraram Srimati Radhika desolada por conta dos sentimentos de separação Krsna, consolaram-a e levaram-a para às margens do rio Yamuna.

O seguinte passatempo também ocorreu aqui: Enquanto perambulava por Vraja-mandala, Sriman Nityananda Prabhu permaneceu próximo a Sringaravata por alguns dias. Ele estava sempre absorto no humor de Sri Baladeva. Às vezes, Ele ficava plenamente absorto, como um avadhuta. Abraçando o pescoço das vacas, Ele chorava e perguntava à elas: “Você viu Kanhaiya? Onde Ele está?” Às vezes Ele abraçava os vaqueiros e perguntava com lágrimas nos olhos: “Onde está Kanhaiya?” Certa vez, Ele ouviu uma voz aérea anunciar: “Seu Kanhaiya na forma de Sacinandana Gaurahari está em Nadiya, e está esperando por você!”

Sringaravata é também conhecida como Nityanandavata porque Nityananda Prabhu morou lá. As deidades que presidem o templo são Sri Nitai Goura e Sri Radha Krsna. Próximo ao templo, sob uma antiga árvore de figueira, está a única figura na qual Sri Krsna está decorando belamente Srimati Radhika.

Jay Sri Karika-vrata!
Jay Sri Vraja-Mandala Parikrama!
Gaura Premanande! Haribol!!!