Vraja-Mandala Parikrama- 28.10.2015

Início de Kartika-Vrata: Sankalpa com Srila Gurudeva
28 de outubro de 2015
Seva-kunja, Imlitala, Lalita-Kunda, Sri Radha-Damodara e Srngaravata
29 de outubro de 2015

Vraja-Mandala Parikrama- 28.10.2015

Dandavats Pranamas! Dia 28 de outubro é o segundo dia do Sri Vraja-mandala Parikrama 2015, a peregrinação anual aos locais sagrados em Vrindavana, onde Radha e Krsna realizaram doces passatempos. Neste mês, observamos Kartika-vrata e Damodara-vrata, os votos do mês de Kartika, considerado o mais auspicioso do ano para práticas e benefícios espirituais. A seguir, apresentamos os locais visitados neste dia, com alguns textos de Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja extraídos de Seu livro ‘Sri Vraja-Mandala Parikrama’, e o maravilhoso darsan desse locais através de lindas fotos tiradas no momento do parikrama!

Kālīya-daha

Kaliya-hrada (kaliya-daha)

Hrada e daha, ambos significam: ” uma profunda piscina em um rio”.] O nome atual do lugar é kaliya-daha. Sri Krisna subjugou a serpente Kaliya neste local. A árvore keli-kadamba, de onde Sri Krsna pulou com grande velocidade para o Kaliya-hrada fica nas proximidades. Todas as árvores e trepadeiras ao redor do lago foram reduzidas a cinzas pelo veneno da serpente Kaliya. Apenas uma árvore keli-kadamba sobreviveu. O pássaro Garuḍa, poderoso e valente, certa vez estava carregando um pote de néctar dos planetas celestiais, a fim de libertar sua mãe Vinata da escravidão de sua madrasta Kadru. Ele repousava sobre esta árvore keli-kadamba por algum tempo, e a forte fragrância do néctar, ou uma gota do próprio néctar que tinha sido derramado, foi suficiente para salvar esta árvore keli-kadamba. Kālīyanāga também foi muito valente e poderoso. Quando ele amarrou Krsna em seus capelos, Krsna ficou imóvel e um pouco desamparado. Naquela época, as Nāgapatnīs (esposas de kaliya), que eram grandes devotas de Krsna, proferiram orações: “Preferimos ser viúvas, a ser esposas de um marido contrário a Bhagavan”.  Mas quando Krsna se livrou dos capelos da serpente e começou a dançar e chutar as cabeças de Kaliya, esta vomitou sangue de suas milhares de bocas e se rendeu ao Senhor. Naquela época, as Nāgapatnīs, de mãos juntas,  imploraram a Krsna para poupar a vida de seu marido, considerando seu humor de renúncia. Suas orações deixaram Sri Krisna satisfeito. Ele libertou Kālīyanāga do medo e ordenou-lhe  ir para Ramaṇaka-dvipa com sua família. Ele assegurou Kaliya sobre Sua proteção, dizendo: “Você não precisa mais temer Garuḍa. Quando ele vir minhas pegadas em suas cabeças, ele esquecerá sua inimizade para com você “. As Nāgapatnīs oraram da seguinte forma: ” Oh Senhor, Sri Laksmi-devi abandonou todos os seus desejos, fez um voto e realizou austeridades por um longo tempo apenas para obter a poeira de seus pés de lótus. Ela, no entanto, não conseguiu alcançar o desejo do seu coração. Quem pode saber que atos piedosos Kālīyanāga realizou para tornar-se qualificado e receber  a rara poeira de Seus  pés!” Os Gaudiya Vaiṣṇava explicam este verso muito bem:  A única razão pela qual Bhagavan Sri Krisna concedeu Sua misericórdia sem causa sobre kaliya, foi a devoção sem causa e espontânea que as esposas de Kālīyanāga direcionavam a Ele. A misericórdia do Senhor Supremo segue e obedece a misericórdia do devoto.

Bhajana-Kutira e Samadhi de Sri Prabodhananda Sarasvatī

Śrī Prabodhānanda Sarasvatī’s bhajana-kuṭī & samādhi

Sri Prabodhananda Sarasvati é o autor de Radha-rasa-sudha-nidhi, Vṛndāvana-mahimāmṛta, Sri Caitanya-candrāmṛta, Sangita-madhava e outros importantes livros sobre Bhakti. Em sua juventude, Prabodhananda Sarasvati era um residente de Sri Rangam e um devoto de Sri Laksmi-Narayana. Ele é o tio paterno e mestre espiritual do famoso Sri Gopala Bhatta Gosvami. No entanto, pela misericórdia de Sriman Mahaprabhu, ele ficou intoxicado com a rasa do Divino Casal Sri Radha-Krsna. Pouco depois de Sriman Mahaprabhu deixar Sri Rangam, ele foi para Vṛndāvana para realizar bhajana. Ele também viveu em Kamyavana por algum tempo. No final de sua vida, ele entrou em samadhi aqui em Vṛndāvana enquanto realizava bhajana. Nos passatempos de Krsna ele é Tungavidya sakhi. Hoje em dia, algumas pessoas dizem que Prabodhananda Sarasvatī e o advaitavādī Prakasananda Sarasvatī de Kasi são a mesma pessoa. Isso é totalmente falso em todos os aspectos. Como é possível para a mesma pessoa primeiro ser o devoto Prabodhananda Sarasvati, em seguida, o impersonalista Prakasananda e, e depois, o mesmo Prabodhananda Sarasvatī novamente? Esta doutrina moderna é uma especulação espantosa advinda da ignorância, que foi completamente refutada pelos ācāryas Sri Gaudiya Vaiṣṇavas.

templo Madana Mohana

Templo de Sri Madan Mohana

Mahārāja Vajranābha instalou as três deidades de Sri Govinda, Sri Sri Gopinatha e Madana Mohana em Sri Dhama Vṛndāvana. Com o tempo, devido à opressão dos bárbaros, os sacerdotes esconderam essas deidades em vários lugares e fugiram. Vṛndāvana se transformou em uma densa floresta.  Já foi descrito como Sri Govindadeva reapareceu depois de muitos anos pelos esforços de Srila Rupa Gosvami, assim como foi Srila Sanatana Gosvami que  manifestou Sri Madana Mohana.

Hoje em dia, Madana-mohanajī reside em Karauli. Em 1748 dC, uma pratibhū-vigraha de Madana Mohana foi criada. Então, em 1819 AD, Sri Nandalāla Vasu construiu o templo atual. Os livros antigos escritos à mão, Seva-prākaṭya e Iṣṭalābha, mencionam que Sanatana Gosami obtido Sri Madana-Gopala de Parasurama Caube de Mahavana, em Samvat, 1590 (1534 dC) e reestabeleceu o serviço e adoração à deidade, no mesmo ano em Śuklā- dvitiya (o segundo dia da lua brilhante) de Magha (janeiro-fevereiro). Ele confiou os deveres do serviço e adoração a Krsnadasa Brahmacari. Naquela época, não havia nenhuma deidade de Srimati Radhika com  Sri Madana Mohana.  Sri Puroṣottama Jana, o pai do rei Prataparudra de Orissa, providenciou com grande fé o envio de duas deidades de Radha, de Puri-dhāma para Vṛndāvana. Sri Madana Mohana informou ao sacerdote em seu sonho: “A mais alta das duas deidades de Puri é Lalitājī, e a mais baixa é Radhaji. Você deve colocar a deidade de Radhika no meu lado esquerdo e a deidade de Lalita do meu lado direito “. É mencionado no Bhakti-Ratnakara que Sri Sanatana Gosvami construiu um templo para Sri Caitanya Mahaprabhu, na parte Sul do templo de Sri Madana Mohana , mas Sri Caitanya Mahaprabhu não veio a Vṛndāvana pela segunda vez. No novo templo, Radhika está do lado esquerdo de Sri Madana Mohana e Lalita está ao seu lado direito. Uma Salagrama-sila também está lá, e Sri Jagannātha preside em uma sala separada (prakoṣṭha). Locais de darśana próximo ao antigo templo são os bhajana-Kutiras, samadhi e grantha-samādhi de Srila Sanatana Gosvami.

Advait vat

Advaitavaṭa

Advaitavaṭa situa-se em Praskandana-Tirtha. Pouco antes do advento de Sri Caitanya Mahaprabhu, Sri Advaita Acharya veio a este lugar enquanto viajava por Vraja. Ele residia sob esta árvore mesma árvore de figueira (vata) por vários dias. Ele havia encontrado Sri Madana-Gopala em Mahavana-Gokula, e passou a servi-lo aqui. Devido ao temor dos Yavanas, e pelo desejo da deidade, Ele secretamente deixou Sri Madana-Gopala com um devotado brāhmaṇa Caube e foi para Santipura, sabendo que muito em breve Sacinandana Sri Gaurahari apareceria na cidade de Nadiya. Mais tarde, este mesmo Madana-Gopala foi até Sanatana Gosvami, que tinha um grande templo construído nas proximidades, e estabeleceu esta deidade lá. Desde então, Sri Madana-Gopala ficou conhecido como Sri Madana Mohana.

Aṣṭa-sakhī-kuñja 1

Asta-sakhi-kunja

Asta-sakhi-kunja está situado perto do antigo templo de Sri Madana Mohana. No centro está situado Sri Radha-Krsna Yugala, que estão cercados pelas deidades das oito sakhis, quatro de cada lado. Em 1296 dC, o Maharaja de Hetamapura, Rāmarañjana Cakravarti, e sua esposa Padmāsundarī, construíram seu templo e instalaram a deidade de Sri Radha-Rāsabihārī aqui.

Fotos cedidas por Gaudiya Vedanta Publications.

Jay Sri Karika-vrata ki!
Jay Sri Vraja-Mandala Parikrama ki! Jay!
Gaura Premanande! Haribol!!!