Dhira-samira, Vamsivata e Templo de Sri Govindaji

Madhuvana, Talavana e Kumudavana
1 de novembro de 2015
Bahulavana, Candra Sarovara e Paitha-grama
9 de novembro de 2015

Dhira-samira, Vamsivata e Templo de Sri Govindaji

Dandavats Pranamas! Dia 02 de novembro é o sexto dia do Sri Vraja-mandala Parikrama 2015! Hoje foram visitados locais maravilhosos como: Dhira-samira, Vamsivata, Gopesvara Mahadeva, e Templo de Sri Govinda deva. Nestes locais, Radha Krsna e Seus associados realizaram doces passatempos amorosos! Alguns deles serão descritos aqui, de harikathas proferidos por Srila Gurudeva Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja extraídos de Seu livro ‘Sri Vraja-Mandala Parikrama’.

 

Dhira- samira

Dhira-samira, em Vrindavana

Dhira-samira, em Vrindavana

Este local está situado às margens do rio Yamuna, bem próximo ao Vamsivata. Este é o lugar da rasa-lila, onde o Divino Casal realiza Seus passatempos amorosos eternos nos nikunjas. A brisa (samira) fica tão suave e calma (dhira) ao contemplar esses passatempos, que se torna incapaz de mover-se, mesmo um milímetro. Portanto, este local é chamado Dhira-samira.

Sri Gauridasa Pandita estabeleceu um kunja e um templo no Dhira-samira. Ele era o irmão mais jovem de Suryadasa Sarkhela, que era o sogro de Nityananda Prabhu, o pai de Jahnava e Vasudha. Sri Gauridasa Pandita é um dos associados de Sriman Mahaprabhu. Ele veio para Vrindavana no final de sua vida, onde estabeleceu o Dhira-samira kunja e começou a servir e adorar Sri Syamaraya, sua adorável deidade. Seu local de bhajana e samadhi ficam também aqui.

Nesta canção tão conhecida do Gita- Govinda, o famoso Sri Jayadeva Gosvami menciona este kunja:

dhira-samire yamuna-tire vasati vane vana-mali
gopi-pina payodhara-mardana cancala-kara-yuga-sali

O kunja mencionado aqui refere-se ao Dhira-samira kunja.

Vamsivata

Vamsivata

Vamsivata, em Vrindavana

Este é o local onde o Divino Casal Sri Radha-Krsna e as gopis realizaram Seus passatempos de rasa (doçuras transcendentais), conforme descrito no Srimad-Bhagavatam, a imaculada e perfeita autoridade em termos escritura. Para conceder o resultado do puja (adoração) que as jovens gopis solteiras fizeram à deusa Katyayani, rasika-bihari Sri Krsna concedeu à elas uma benção. Para concretizar esta benção, Ele tocou uma doce melodia em Sua flauta em uma noite de lua cheia. Ouvindo o maravilhoso som da flauta, as gopis, intoxicadas de prema (amor divino), correram para este local. O Srimad-Bhagavatam descreve a seguir:

nisamya gitamtad ananga-vardhanam
vraja-striyah krsna-grhita-manasah
ajagmur anyonyam alaksitodyamah
so yatra kanto java- lola-kundalah

“As jovens donzelas de Vraja ouviram o som da flauta de Krsna. Este som, que intensifica sentimentos amorosos, conquistou suas mentes. Ocultando umas das outras, elas foram para onde Seu amante Krsna as esperavam. Porque elas corriam, seus brincos balançavam agitadamente.”

Sob o pretexto de corrigir a transgressão dos princípios virtuosos das gopis, rasikendra-sekhara Sri Krsna deu as muitas razões pelas quais as gopis deveriam voltar para sua casas e servir seus maridos, mas as astutas gopis facilmente refutaram todos os seus argumentos.

A rasa do outono de Krsna (saradiya-rasa) com incontáveis gopis ocorreu aqui. Um Krsna dançava entre duas gopis ou uma gopi dançava entre dois Krsnas. Dessa forma, impressionantes cantos e danças embalavam essa rasa! Algumas gopis ficaram orgulhosas por conta de sua boa-fortuna (saubhagya-mada) e Srimati Radhika entrou em um humor de ciúme raivoso, mana. Vendo isso, rasikendra-sekhara Sri Krsna despareceu daquele local, a fim de suavizar o mana de Srimati Radhika e acabar com o orgulho das outras gopis.

2

“Vocês fizeram um extraordinário serviço: abandonaram tudo por mim. Por este sacrifício, Eu estou eternamente em débito com vocês e nunca poderei recompensá-las.”

Assim, as gopis sofriam de intensa separação por Krsna, e choravam alto, cantando: jayati te dhikam janmana vrajah… (Gopi Gita). Ouvindo este cantar, Sri Krsna reapareceu,  e nesse local Ele expressou sua gratidão às gopis em doces palavras: “Vocês realizaram um extraordinário serviço: abandonaram tudo por mim. Por este sacrifício, Eu estou eternamente em débito com vocês e nunca poderei recompensá-las”. Este é o local onde a rasa-lila aconteceu, e é a joia suprema entre todos os locais de passatempos!

O bisneto de Sri Krsna, Sri Vrajanabha Maharaja, plantou uma árvore aqui, em lembrança a este local de rasa, mas após algum tempo o Yamuna inundou este local. Recentemente, cerca de quinhentos e cinquenta anos atrás, Sri Madhu Pandita, um discípulo de Sri Gadadhara Pandita, pegou um galho e o plantou aqui. Este galho se transformou em uma grande árvore. Sri Madhu Pandita instalou a deidade de Sri Gopinatha aqui enquanto fazia seu bhajana. Existem quatro pequenos templos em cada um dos quatro cantos da área quadrangular de Vamsivata. As deidades de Sri Ramanujacarya, Sri Madhvacarya, Sri Visnusvami e Sri Nimbarkacarya foram instaladas aqui junto à ela. Hoje em dia, elas são representadas por outras deidades. Gaudiya Vaisnavas costumam servir aqui, mas Brahmacariji, o mestre espiritual do rei de Gvaliyor comprou este local. Desde então, ele tem ficado aos cuidados da Nimbarka sampradaya.

O Templo de Sri Govindadeva

Templo de Sri Govindadeva, em Vrindavana

O nome atual deste templo é Sri Govindadeva, e seu nome antigo era Goma- tila. Sri Rupa Gosvami costumava fazer sadhana- bhajana em uma pequena cabana atrás do templo de Sri Radha-Damodara, no Seva- Kunja. Sob a ordem de Sri Caitanya Mahaprabhu, ele compôs diferentes literaturas sobre Bhakti, como Bhakti-rasamrta-sindhu e Ujjvala-nilamani, enquanto vivia aqui. Além disso, seguindo a instrução de Mahaprabhu, ele manifestou a deidade de Sri Govinda, que foi previamente instalada por Sri Vrajanabha.

Diariamente, Sri Rupa Gosvami percorria dez milhas do parikrama de Vrindavana. Um dia, durante seu parikrama, ele ficou muito inquieto pensando na deidade de Sri Govinda; sentou-se sob uma árvore às margens do Yamuna e chorou, desejando ter o Seu darsana. Nesse momento, um belo Vrajavasi que também fazia o parikrama passou. Ele viu Sri Rupa Gosvami chorando sob uma árvore, e perguntou a ele por que estava chorando. No início, Rupa Gosvami não disse nada, mas quando o menino insistiu, ele revelou a dor profunda em seu coração. O Vrajavasi trouxe Rupa Gosvami para

Sri Sri Radha-Govinda, as deidades substitutas adoradas hoje no Templo de Sri Govindaji.

Sri Sri Radha-Govinda, as deidades substitutas adoradas hoje no Templo de Sri Govindaji.

Goma-tila e disse:”Por favor, ouça. Todos os dias, antes do anoitecer, uma vaca vem a esse monte e irriga este local com o leite dos seus úberes. Eu penso que o seu desejo será satisfeito aqui.” Dizendo isso, o menino imediatamente desapareceu.

Pensando na beleza do menino e em suas doces palavras, Sri Rupa Gosvami desmaiou. Ao recuperar a consciência, ele chamou a vizinhança de Vrajavasis, que muito cuidadosamente cavaram a terra neste local. Lá, um pouco abaixo do chão, estava Sri Govindaji, mais belo que milhões de cupidos! Eles banharam a deidade em uma grande cerimônia! Notícias se espalharam rapidamente, e uma multidão de pessoas se reuniram para ter o darsana de Sri Govindaji.

Sri Govindadeva é Vrindavanesvara- o Senhor (isvara) de Sri Vrindavana. No Skanda, Varaha, Padma e outros Puranas, é dito que Vrindavana é raja-rajesvara, Rainha das Rainhas. Sri Govindadeva é portanto a adorável deidade de Vrindavana!

Jay Sri Karika-vrata ki!
Jay Sri Vraja-Mandala Parikrama ki!
Jay! Gaura Premanande! Haribol!!!

A original deidade de Sri Govindaji manifestada para Rupa Gosvami, encontrada agora em Jaipur

A original deidade de Sri Govindaji manifestada para Rupa Gosvami, encontrada agora em Jaipur