Uma Celebração de Quatro Dias Sagrados

Calendário Vaisnava- Fevereiro 2016
10 de fevereiro de 2016
O Dia do Aparecimento de Sri Advaita Acarya
14 de fevereiro de 2016

Dandavat Pranamas! Neste ano de 2018, em 22 de janeiro, é a data da celebração de Vasanta-Pancami, o dia do aparecimento de Srimati Visnu Priya Devi e de Srila Raghunatha dasa Gosvami, e o dia do desaparecimento de Srila Visvanatha Cakravarti Thakura. Nesta ocasião auspiciosa, apresentamos uma aula dada por Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja, em 17 de fevereiro de 2002, na Austrália.

Foto destaque: Sri Sri Radha Gopinatha, templo Sri Gopinatha Bhavan. Darsan em Vasanta Pancami, no dia 22 de janeiro de 2018 .

001.......Esta é uma palestra sobre os seguintes temas:

1) Vasanta-Pancami

2) O Dia do Aparecimento de Visnu Priya Devi

3) O Dia do Aparecimento de Srila Raghunatha dasa Gosvami

Vasanta Pancami

Na Índia, há muitas festas realizadas para a adoração do Senhor Krsna. Lá, o ano é dividido em seis estações, cada uma com duração de dois meses. Entre as seis estações, a mais gloriosa é Vasanta, a primavera. A estação de Vasanta é muito agradável, pois o tempo não é nem muito quente nem muito frio nessa época.  Uma abundância de flores fragantes, como beli, cameli, jui e outras, florescem em todos os lugares, e as flores, como ratkerani (rainha da noite) florescem à noite. Rios como o Ganges e Yamuna estão especialmente limpos e puros nesse período, parecendo como se eles estivessem simplesmente à espera de Sri Sri Radha e Krsna, e as terras em muitos locais, parecem com tapetes amarelos pois estão repletas de variedades de flores amarelas. Os ornamentos de Krsna também são amarelos, porque Sua mais amada Radhika tem uma compleição amarela-dourada e Ele deseja sempre ser abraçado por Ela.

Hoje é Vasanta-Pancami, o início da estação Vasanta, ocasião em que a dança da Rasa de Krsna foi realizada em Govardhana, na aldeia de Parasauli, no lago conhecido como Candra Sarovara.

Em tal momento, as gopis estavam dançando com Krsna durante uma noite que se tornou bilhões de anos; tornou-se tão longa quanto um dia inteiro de Brahma. Naquela noite, a lua paralisou, sem se mover de sua melhor posição de visão da dança de Radhika e todas as suas sakhis com o Senhor Krsna. Esses belos passatempos nasceram de um oceano de rasas (sabores de doçuras transcendentais ), saturados de felicidade ilimitada!

Em Saradiya, a estação do outono, a dança da Rasa foi realizada em Vrindavana, sob a sombra da árvore Vamsivata, no início do mês de Kartika. Todas os tipos de gopis participaram desta Saradiya rasa-yatra, ao passo que, nesta Govardhana Vasanti-rasa, apenas as mais elevadas gopis foram autorizados a participar. Nesta dança da rasa da Primavera, o Senhor Krsna demonstrou abertamente a proeminência e superioridade de Srimati Radhika.

Krsna desapareceu em meio a essa Vasanti Rasa, e todas as gopis ficaram chorando amargamente: “Onde está Krsna? Onde está Krsna?” As gopis procuravam por Ele em todos os lugares, e depois de algum tempo o viram em Sua forma de quatro mãos, de pé como uma estátua. Chegando próximo, elas disseram: “Oh, Ele se parece com Krsna, mas não é Krsna. Nosso Krsna não tem quatro mãos. Onde está Sua flauta, Sua pena de pavão, e todas as suas outras roupas? Ele agora carrega uma concha, disco, maça e flor de lótus – em quatro mãos.” Elas oraram a ele: “Estamos muito apegadas a Krsna, e estamos procurando por Ele. Morreremos sem Ele. Se você é Narayana, por “Por favor, seja misericordioso e diga-nos o caminho em que Ele foi. Seja misericordioso para que possamos encontrá-lo.” Então, depois de orar dessa forma, elas saíram e seguiram seu caminho.

Quando Radhika chegou após as outras gopis deixarem o lugar, a brisa que tinha tocado Seu véu carregava tanta fragrância de seu corpo, que esta adentrou na narina de Krsna e Ele pensou: “Oh, minha amada está por perto.” Ele esqueceu que deveria manter Sua forma de quatro mãos, e não pode mais esconder sua forma original. Duas mãos desapareceram imediatamente, entrando em Seu corpo, e Sua forma original de dois braços reapareceu – com a flauta em Suas mãos e a pena de pavão em sua cabeça.

rasarambha-vidhau niliya vasata kunje mrgaksi-ganair
drstam gopayitum svam uddhura-dhiya ya susthu sandarsita
radhayah pranayasya hanta mahima yasya sriya raksitum
sa sakya prabhavisnunapi harina nasic catur-bahuta

“No início da dança Rasa, o Senhor Krsna escondeu-se em um bosque apenas para se divertir. Quando as gopis vieram, seus olhos eram semelhantes aos dos veados, por conta da inteligência aguçada delas. Ele exibiu Sua bela forma de quatro braços para esconder-se. Mas quando Srimati Radharani apareceu ali, Ele não pode mais manter tal feito. Esta é a maravilhosa glória do amor de Radha!” (Ujjvala-nilamani, Srila Rupa Gosvami, citado no Sri Caitanya-caritamrta Adi-lila 3, 17-29)

Quando Krsna vê Radhika, Sua mais amada e a personificação de todo amor e afeição, Ele esquece de todo o resto. Ela é ninguém mais senão Krsna. Ela é o próprio Krsna, mas no corpo de Radhika.

Candra Sarovara

Candra Sarovara

Assim, Krsna retornou à Sua forma original e rapidamente a abraçou. Isto ocorreu na Vasanti-rasa-lila.

No capítulo de Sri Caitanya-caritamrta entitulado Raya Ramananda Samvada, Sri Caitanya Mahaprabhu questionou Sri Raya Ramananda Prabhu: “Qual é nosso sadhya (perfeição) e nosso sadhana (o processo para alcançar a perfeição)?” Raya Ramananda respondeu, começando a partir do varnasrama-dharma. Ele disse a Mahaprabhu: “De acordo com os adeptos de varnasrama-dharma, estar na vida familiar e buscar varnasrama-dharma (a execução dos deveres religiosos de acordo com diferentes castas e status de vida), a fim de agradar Krsna, este é o melhor processo para agradar Deus.” Mahaprabhu rejeitou isso e disse: “No varnashrama não existe uma relação pura entre a alma e Krsna.” Depois disso, Raya Ramananda sugeriu: “Deve-se oferecer os frutos de todas as suas atividades aos pés de lótus de Krsna”, mas Mahaprabhu rejeitou isso também, e disse: “Este é externo; Siga adiante.”

Após, Raya Ramananda disse: “Deve se abrigar nos pés de lótus de Krsna”, e citou um verso do Bhagavad-gita: “Abandone todas as variedades de religião e simplesmente entregue-se a mim eu te livrarei de todas as reações pecaminosas. Não temas.” (Bhagavad-gita 18.66)] Krsna está dizendo aqui: “Se você aceitar o refúgio dos meus pés de lótus, você será feliz para sempre.” Pessoas de todo o mundo pensam que esta é a essência do Bhagavad-gita, mas Mahaprabhu a rejeitou-a como externa e portanto não sendo a meta final da vida, e Ele disse a Raya Ramananda: “Continue; vá em frente.”

Raya Ramananda então sugeriu karma-jnana-misra bhakti (devoção contaminada por especulação mental e desejo de desfrutar dos frutos de suas ações), e expressou o verso: “Aquele que está situado transcendentalmente pela realização do brahma impessoal não lamenta ou deseja ter nada. Ele está igualmente disposto para com todas as entidades vivas. Ele tem a oportunidade de realizar o Brahman Supremo e se tornar plenamente alegre se alcança o serviço devocional puro a mim.” (Bhagavad-gita 18.54)

Sriman Mahaprabhu também rejeitou ambos os conceitos – karma-jnana-misra bhakti e brahma-bhutah – porque eles são desprovidos de devoção pura, e depois disso Raya Ramananda gradualmente passou ao tópico de prema-bhakti. Mahaprabhu respondeu sobre isso: “Este pode ser o estágio de perfeição, mas por favor, siga adiante.” Raya Ramananda então discutiu dasya, sakya e vatsalya-prema (amor por Krsna nos humores do servo, amigo e parental) e Mahaprabhu disse: “Oh, muito bom, muito bom! Mas por favor, continue.” Em bhakti-rasa (devoção íntima com Krsna ao pensar-se em um relacionamento com ele como um vaqueirinho comum), Krsna não é o pai ou a mãe de ninguém. No entendimento de bhakti pura, o Senhor Supremo não pode ser o pai de alguém ou uma mãe – Ele pode ser apenas um filho. Podemos servir Krsna em qualquer uma das quatro relações, mas se pensarmos que Ele é nosso pai ou a mãe, não podemos servi-Lo, porque pais e mães servem seus filhos.

Depois de ouvir sobre essas relações, Caitanya Mahaprabhu disse a Raya Ramananda: “Por favor, fale mais”, e Raya Ramananda, em seguida, disse: “Gopi-prema (servir Krsna como um amante) é a maior conquista, e entre as gopis, Radhika é a melhor. Quando Mahaprabhu pediu a Raya Ramananda para dar um exemplo de um passatempo que revela a supremacia de Radhika, Raya Ramananda primeiro deu o exemplo de Saradiya rasa-lila. Ele disse: “Todas as gopis estavam dançando com Krsna, e era como se uma gopi estivesse dançando entre cada dois Krsna e um Krsna dançando entre cada duas gopis. Bilhões de gopis estavam dançando com Krsna, mas, de repente, ele desapareceu. Por que Ele desaparecer? Ele fez isso para satisfazer Radhika. Ele levou-a com ele, e ninguém sabia onde ele e sua amada tinham ido. “

Mahaprabhu então expressa sua dúvida: “Porque Krsna se encontrou com Radhika após o seu desaparecimento da dança Rasa, parece que Ele estava temendo todas as outras gopis. Se Ele abertamente abandonasse todas as gopis, partindo com Radhika na frente de todos elas, então apenas seria evidenciado que o amor de Radhika é o mais elevado. “

Sri Raya Ramananda então explicou sobre esta Vasanti-rasa. Ele disse: “Krsna estava dançando com milhares de gopis, e nesse meio tempo, Radhika pensou: ‘Krsna sempre promete: “Você é minha mais amada.” Mas vejo que ele está dançando comigo e todas as outras gopis também; por isso, talvez sejamos todas iguais aos seus olhos.” Naquele momento, Radhika entrou em um humor zangado e ficou irritada. Ela então deixou a dança da Rasa na frente de todas as outras gopis, e Krsna seguiu Ela.

“Krsna estava pensando: ‘Se Radhika não está aqui, não pode haver Rasa. Não pode haver nenhum sentido em Rasa. Estou realizando rasa-lila apenas para Radhika. Ela é minha metade, meu tudo, meu guru e meu servo. Ela é tudo para mim. Ela é minha vida e alma.” Na Vasanti-rasa, Krsna declarou isso abertamente.

Mahaprabhu então disse: “Oh, que bom!”, e Ele questionou mais ainda: “Eu quero saber sobre krsna-tattva, radha-tattva, prema-tattva e rasa-tattva de você.” Quando Raya Ramananda começou a descrever profundamente estes temas, no entanto, Mahaprabhu o parou ele e disse: “Não fale mais. Esses assuntos são tão elevados que não há ninguém neste mundo qualificado para ouvi-los. Se você continuar a falar, vou imediatamente entrar no humor de Krsna e terei que desistir desta forma de Sacinandana Gaurahari. ” Raya Ramananda então parou de falar.

Hoje nós observamos a celebração do aniversário desta Vasanti-rasa, e para Krsna, esta rasa está acontecendo eternamente. Todos os Seus passatempos são eternamente manifestos em Goloka Vrndavana, e Ele também os revela em todos os inumeráveis universos, conforme Ele aparece, em um universo após outro. Aqui, na Vasanti-rasa, Krsna declarou abertamente: “Minha mais amada é Srimati Radhika.”

Não há diferença entre Srimati Radhika e o Senhor Krisna. Krsna manifestou Radhika a partir de seu lado esquerdo. Se pudermos fazer Radhika feliz, então Krsna ficará feliz e Ele será controlado muito facilmente! Este é o propósito de observarmos  Vasanti-rasa.

O Aparecimento de Srimati Visnupriya Devi

VisnupriyaDevi

Visnu Priya Devi

Hoje também é o aniversário de Visnu Priya Devi – a esposa, o poder, a energia de Sri Caitanya Mahaprabhu. Ela é uma das manifestações de Srimati Radhika, particularmente uma manifestação de Satyabhama, e ela é Bhu-shakti do Senhor Supremo. Ela sentia imenso amor e afeição por Sacinandana Gaurahari, tendo sido casada com ele por muitos anos. Mas Mahaprabhu estava sempre absorto no humor de Radha, se lamentando: “Ai de mim, Krsna! Ai de mim, Krisna!” E em virtude disso, ele não tinha tempo para conversar com ela. Embora fossem uma família morando na mesma casa, ele sempre estava absorto nos êxtases de Srimati Radhika. Dessa forma, Ele estava sempre desmaiando e rolando sobre a terra, às vezes chorando, às vezes cantando em voz alta, como uma pessoa louca.

“No estágio do amor a Deus, o devoto se fixa em seu voto como um servo eterno do Senhor, e se torna muito apegado a um determinado nome e forma da Suprema Pessoa Divina. Seu coração se derrete com amor extático, de formaa dar gargalhadas, chorar ou gritar. Às vezes ele canta e dança como um louco, pois é indiferente a opinião pública. “(Srimad-Bhagavatam 11.2.40)]

Sri Caitanya Mahaprabhu sempre agia dessa maneira, e chorava continuamente. Se você quer desenvolver amor por Krsna, você deve seguir Caitanya Mahaprabhu e sempre chorar por Krsna! Vemos que ele chorou durante toda sua vida, desde o início. Isso intensificou mais e mais quando recebeu sannyasa e deixou tudo para ir a Jagannatha Puri, e aumentou ainda mais após seu encontro com Raya Ramananda.

Embora Visnu-priya devi fosse casada com Mahaprabhu na Sua vida familiar, ele quase nunca falava com ela, especialmente quando voltou de Gaya, quando recebeu iniciação harinama e diksa do seu Gurudeva, Sri Isvara-Puripada. Sua personalidade se transformou naquele momento! Ele já não era conhecido como Nimai Pandita, mas agora era conhecido como Bhavuka Nimai, o Nimai que está sempre absorto em seus humores extáticos de krisna-prema, amor puro por Krsna!

Neste momento, no entanto, alguns habitantes de Navadvipa, especialmente os estudantes e seus antigos professores das escolas, tornaram-se um tanto desfavoráveis em relação a Ele e queriam controlá-lo. Mahaprabhu pensou: “Eu vim para dar o remédio supremo para a doença material de todos, mas tais pessoas brigam comigo e me insultam. Eu devo receber sannyasa, a ordem de vida renunciada, para que assim eles possam chorar por mim. Eu inundarei todos,  incluindo mayavadis como Sarvabhauma Bhattacharya e Prakasananda Sarasvati, em krsna-prema”.  Esta é uma das razões pelas quais Caitanya Mahaprabhu recebeu sannyasa.

No dia em que Ele decidiu receber sannyasa, Visnu-priya devi foi banhar-se no Ganges. Enquanto estava a caminho, ela acidentalmente bateu com seu dedo do pé em uma pedra, ferindo-o, e este sangrava. Enquanto banhava-se, o anelzinho de nariz que ela havia ganhado no dia do seu casamento, e que é muito auspicioso para a esposa, caiu no Ganges. Embora ela o procurasse com grande esforço, não conseguia encontrá-lo. Ela começou a chorar amargamente: “Por que todas essas coisas estão acontecendo hoje?” Mais tarde, quando voltou para casa, Saci Mata perguntou a ela: “Oh minha filha, por que você está chorando assim?” Ela respondeu: “Hoje fui banhar-me no Ganges, feri meu pé e perdi o meu anel de nariz de casamento. Não sei qual será meu destino.” Sua mãe tentou consolá-la.

Embora Caitanya Mahaprabhu não desse praticamente nenhuma atenção a ela, naquela noite, depois de honrar prasada, Ele decorou seu cabelo e colocou nozes de betel em sua boca. Naquela manhã, ele tinha ido visitar todos os seus associados e se reunir com eles. Ele havia conseguido um pouco e um vegetal loki com Sridhara, com quem Ele sempre brincava de brigar. Quando voltou para casa, à noite, disse a Saci Mata: “Mãe, por favor, faça uma preparação com esses lokis, com açúcar, manteiga, cânfora e outros ingredientes, e ofereça-a  ao Senhor Krsna.” Mais tarde, ele honrou essa prasada, e após ele entrou no quarto de Visnu-priya devi como uma pessoa luxuriosa, com vestes reais, como se estivesse pronto para uma cerimônia de casamento! Então, com muito amor e carinho, Ele lhe perguntou: “Oh, como você está?” Ele a decorou, lhe deu uma guirlanda belíssima, colocou nozes de betel  em sua boca, conversando de forma muito amorosa com ela.

vishnupriya chaitanya mahaprabhuVisnu-priya começou a pensar: “O que estou vendo? A luz do furacão, que queima como óleo de querosene, brilha intensamente quando está prestes a se extinguir, fazendo os sons ‘buk buk ‘, e’ tuk ‘, e, após, torna-se escura e se apaga. Vejo que meu destino pode ser este. Considerando o que aconteceu esta manhã, e vendo como Ele me decora tão luxuriosamente, dando-me nozes de betel e falando-me com palavras bajuladoras, ‘minha querida, oh mais amada’.. , gostaria de saber qual será meu destino. Por que Ele está fazendo isso? “

Nesse meio tempo, Yogamaya veio e entrou nos olhos de Visnu-priya em forma de sonolência. Ela não queria cair no sono, mas pelo poder de Yogamaya, foi forçada a fazê-lo. Caitanya Mahaprabhu olhou para ela pela última vez, e, em seguida, levantou-se e deixou sua casa para receber sannyasa.

Sem abrir mão de tudo neste mundo, como se pode amar o Senhor Krsna plenamente? Se o seu amor e afeição é partilhado entre muitas pessoas, situações e objetos, como você pode amar a Krsna? Vimos que na India, devotos elevados como Srila Raghunatha dasa Gosvami e Srila Rupa Gosvami, e também Caitanya Mahaprabhu, rapidamente deixaram suas posições, riqueza, reputação, pai, mãe, esposa e filhos. Chorando por Krsna, eles deixaram seus lares e aceitaram sannyasa, esquecendo suas casas e famílias completamente, e sempre se lembrando: “Krsna! Krsna! Krsna!”

Quando Mahaprabhu estava saindo de sua casa, ele viu sua mãe de pé como uma estátua seca, sem lágrimas nos olhos. Ela não podia nem pensar sobre o que fazer. O ar ia e vinha de suas narinas, mas ela não tinha nenhuma consciência externa. Através de Mahaprabhu e pelo poder de Yogamaya, Ele controlava ela. Mahaprabhu fez parikrama circungirando Sua mãe por três ou quatro vezes, tocou os seus pés de lótus e lhe disse: “Mãe, vou procurar meu amado Krsna.” Então, no meio da noite fria e escura, Ele pulou no Ganges, gritando “Oh Krsna!” Ele apareceu do outro lado do rio, em Kantaka Nagari, e de lá ele foi ver Kesava Bharati e receber sannyasa dele.

Depois de aceitar a ordem de sannyasa, Mahaprabhu foi para Jagannatha Puri, e de Puri Ele voltou para Navadvipa no Seu caminho para Vrindavana. Enquanto estava lá, todos os moradores vieram de barco e outros meios de transporte, de diversos locais, para ver Sacinandana Gaurahari. Mesmo os cães e as pessoas cegas vieram, e Saci Mata também veio.

Todo mundo estava presente, exceto Visnu-priya. Por que ela não tinha permissão para vir? Este é o sintoma de amor e afeição por Krsna. Se você é capaz de desistir do seu mais querido objeto por Krsna, este é o sintoma de que você tem algum amor e afeição por Ele. Sri Caitanya Mahaprabhu ensinou isso pelo Seu próprio exemplo, e por esta razão Visnu-priya não estava lá. Todos os outros eram autorizados a entrar, mas ela não.

O que ela estava fazendo? Ela estava chorando continuamente. Ela estava mais conectada a Sri Caitanya Mahaprabhu do que todas as outras pessoas, e ela era mais desapegada dos aspectos mundanos do que o próprio Caitanya Mahaprabhu. Ela mantinha sua vida ingerindo alguns grãos de arroz, um por um. Ela usava tais grãos como contas de colares, e continuamente clamava: “Hare Krsna Hare Krsna, Krsna Krsna Hare Hare, Hare Rama Hare Rama, Rama Rama Hare Hare.” Toda vez que ela completava a pronúncia dessas dezesseis palavras, ela separava um grão de arroz e o colocava em uma pilha. Ela lavava esses grãos um por um com a água de suas lágrimas, enquanto cantava os Santos Nomes até o meio-dia, e após, ela cozinhava esse arroz com alguns vegetais. Então, dava a bhoga para Mãe Saci, que ofereceia a deidade de Narayana. Após, ela se alimentava muito pouco, lembrando-se dos passatempos de Sacinandana (Mahaprabhu). Durante sua vida, ela foi totalmente absorta no Senhor Krsna e em Sri Caitanya Mahaprabhu, e cantava “Hare Krsna” dia e noite. Depois de algum tempo, Mahaprabhu lhe deu uma deidade dele mesmo feita de madeira de neem, e essa deidade é sendo adorada até hoje em Navadvipa. Visnu-priya costumava adorar essa deidade, chorando copiosamente. Ela também conversava com Caitanya Mahaprabhu, e ainda falava com ele na forma da deidade.

Saci Mata também se lembrava de Caitanya Mahaprabhu sempre. Ela costumava lhe oferecer prasada, e Ele costumava vir à casa dela honrar prasada, embora ela pensasse que Sua vinda era apenas algo de sua imaginação ou uma visão. Ele era obrigado a ir, atado pelo amor e afeição de Saci Mata e Visnu-priya devi.

Se alguém quer servir Mahaprabhu ou Radha Krsna, tal pessoa deve ser como Visnu-priya. Ela foi muito mais renunciada do que qualquer pessoa, incluindo Mahaprabhu. Ele era um renunciado, mas não como ela. Além disso, estava sempre rodeado por tantos bhaktas que consolavam, mas não havia ninguém para consolá-la.

Hoje é o aniversário de Visnu Priya, que é a personificação de prema-bhakti. Ela é a própria prema-bhakti (serviço devocional amoroso a Krsna)!

jay Visnu Priya devi!

O Dia do Aparecimento de Srila Raghunata Dasa Gosvami

Samadhi de Srila Raghunata Dasa no Radha-kunda, Vrindavana.

Samadhi de Srila Raghunata Dasa no Radha-kunda, Vrindavana.

Hoje é também o dia do aparecimento de Srila Raghunatha dasa Gosvami. Se vocês quiserem se tornar devotos puros, vocês terão que seguir Srila Raghunatha dasa Gosvami. Vocês querem seguir, mas vocês são fraco – como diz Srila Goura Govinda Maharaja: “Senhor cachorro, senhor leitão, senhor suíno” – E alguns são como camelos, tigres ou ursos. Devemos tentar seguir Srila Raghunatha dasa Gosvami. Ele era rico e situado em uma posição elevada, mas deixou tudo por Krisna e continuamente chorava: “Oh Krisna, Oh Sacinandana Gaurahari!” Pela misericórdia de Nityananda Prabhu, ele rapidamente recebeu o abrigo de Mahaprabhu. Raramente comia algo, mas de alguma forma mantinha-se vivo. Ele foi para Vrindavana depois da partida de Mahaprabhu e vivia no Radha-kunda.

Sem a misericórdia do guru você não pode ter amor e afeição por Krisna ou Caitanya Mahaprabhu. Guru-krpa (misericórdia do guru) é essencial, e guru-nistha (fé no guru) é a espinha dorsal de todos os tipos de bhakti. Quando Srila Raghunatha dasa Gosvami recebeu a misericórdia de Nityananda Prabhu, todos os seus problemas e obstáculos rapidamente desapareceram, e ele foi capaz de sair de casa para estar com Caitanya Mahaprabhu. Fazer bhajana no próprio lar, enquanto ainda se vive com o pai, mãe, esposa e marido, é um tipo de bhajana, mas esse tipo de bhajana não pode dar o fruto do amor e afeição por Krisna. Um dia você terá que abandonar a tudo isso.

Os primeiros sintomas de bhakti real, alcançados pelas austeridades de cantar e lembrar-se de Krisna, são: o conhecimento imotivado e desapego deste mundo. Você certamente se tornará renunciado, mesmo que esteja vivendo uma vida mundana ou na ordem de vida renunciada. Se você está cantando de forma séria e perfeita, a renúncia virá obrigatoriamente.

Temos ouvido que, quando Guru Nanak (santo indiano, que fundou a religião Sikhi) era jovem, seu pai lhe disse: “Vá ao mercado e traga os ingredientes que precisamos para vender em nossa loja.” No caminho para o mercado se deparou com muitos Vaisnavas e sadhus. Vendo que não havia sido programada prasada para eles, ele rapidamente foi ao mercado e comprou todos as parafernálias necessárias para fazer uma festa para eles, e por essa razão, gastou todo o dinheiro de seu pai. Mais tarde, voltando para casa de mãos vazias, seu pai o perguntou: “Onde estão os ingredientes que eu pedi que comprasse? O arroz, dahl, ghee e outras coisas?” Guru Nanak respondeu: “Eu fiz as compras, mas dei tudo para servir aos Vaisnavas. Desta forma, eu fiz algumas compras muito boas para minha vida futura e para o benefício de toda a minha dinastia.” Ele tinha uma fé muito forte em Krisna; ele sabia que quando alguém serve a Krsna, Krsna concede tudo o que é preciso a essa pessoa. Não temos essa mesma fé, sendo dessa forma ainda muito difícil darmos um centavo. Algumas pessoas podem dar um pouco de sua riqueza, mas ele deu tudo.

Devido a Srila Raghunatha dasa Gosvami ter cantado e se lembrado de Krisna, ter sido espiritualmente cuidado por Srila Haridasa Thakura e recebido iniciação de Sri Yadunandana Acharya, alguns bons efeitos obrigatoriamente vieram. Tornou-se desapegado do mundo, e considerava Krisna como seu pai, sua mãe, e seu tudo. Todos os tattvas (verdades filosóficas estabelecidas) despertaram em seu coração, e rapidamente deixou sua casa e bela esposa. Ele era o único filho de seu pai, que era tão rico como um rei, e sua esposa era tão bonita como uma Miss Universo. Teria sido muito difícil para uma pessoa comum, desistir de tais luxos.

Depois de sair de casa, Raghunatha dasa não viajou pela estrada principal. Escondido, ele continuou por um caminho na aldeia, não nada além de um pouco de arroz inflado e um pouco de leite, e sua viagem de um mês passou depressa, sendo feita em 12 dias. Naquele tempo não havia trens ou carros, mas ele correu rapidamente, sem ter parado nem sequer para banhar-se.

Quando chegou em Jagannatha Puri, não foi ver Jagannatha, Baladeva e Subhadra. Ele veio diretamente para a reunião de Sri Caitanya Mahaprabhu, a qual estavam presentes muitos associados como Svarupa Damodara e Raya Ramananda. Alguém disse a Mahaprabhu: “Raghunatha chegou”, e Mahaprabhu rapidamente o abraçou e disse: “Oh Raghunatha, você acaba de vir de um fosso de excrementos.” Algum tempo antes, Mahaprabhu tinha dito a ele para voltar para casa, mas agora Ele disse: “Toda a vida mundana é como fezes, e Krsna é tão misericordioso que Ele o liberou e você saiu daquela casa”. Mahaprabhu, em seguida, colocou Srila Raghunatha dasa gosvami sob os cuidados de Sri Svarupa Damodara, dando início dessa forma a sua vida transcendental; sempre ouvindo de Sri Caitanya Mahaprabhu, Sri Svarupa Damodara, Srila Rupa Goswami, Sri Pundarika Vidyanidhi, Sri Vakresvara Pandita, Sri Gopal Guru, e Srila Haridasa Thakura.

A história de vida de Srila Raghunatha dasa Goswami é uma das joias do Sri Caitanya- caritamrta, e, além disso, muito do que Srila Krsnadasa Kaviraja escreveu no Caitanya- caritamrta, ele tinha ouvido da boca de lótus de Raghunatha dasa Gosvami. Tentem se lembrar de sua vida e de seu caráter. Se fizerem isso, um poder entrará dentro de vocês e serão capazes de se tornar um devoto como ele – quer estejam vivendo uma vida mundana, quer estejam vivendo uma vida de renúncia. Tentem ser como ele. Não podemos conseguir isto sem ajuda, e, portanto, oramos a Nityananda Prabhu para nos ajudar.

Jay Srila Raghunatha dasa Gosvami!

Gaura Premanande! Haribol!!!

Retirado do site Pure Bhakti