As Glórias de Srila Bhakti Dayita Madhava Gosvami Maharaja

Gopastami
16 de novembro de 2018
As Glórias de Srila Gaura Kisora dasa Babaji Maharaja
20 de novembro de 2018

As Glórias de Srila Bhakti Dayita Madhava Gosvami Maharaja

Dandavat Pranamas! Em 19 de novembro de 2018, celebramos o sagrado aparecimento de Srila Bhakti Dayita Madhava Gosvami Maharaja, o fundador da Caitanya Gaudiya Matha, discípulo de Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura e o querido mestre espiritual de Srila Bhakti Vijnana Bharati Gosvami Maharaja. A seguir, apresentamos um trecho de suas glórias e ensinamentos.

Srila Bhakti Dayita Madhava Gosvami Maharaja

A MANEIRA APROPRIADA DE SE COMEMORAR O PRÓPRIO ANIVERSÁRIO

Certa vez, quando Guru Mahārāja estava presente em Vṛndāvana durante o festival do dia do seu aparecimento, ele cantou o seguinte kīrtana, escrito por Śrīla Bhaktivinoda Ṭhākura:
āmāra jīvana, sadā pāpe rata, nāhikô puṇyera leśa parere udvega, diyāchi ĵe katô, diyāchi jīvere kleśa
(Amara Jivana, Śaraṇāgati 1.4.1)
“Minha vida é perpetuamente dedicada ao pecado, portanto não possuo sequer um traço de piedade. Proporcionei grande ansiedade as pessoas e lhes trouxe somente miséria.”
Sua voz melodiosa era tão cativante que todos os devotos reunidos começaram a chorar. Após cantar este kīrtana, ele se dirigiu ao público: “Hoje é Utthāna Ekādaśī, o dia em que o Senhor desperta após descansar por quatro meses. Hoje é também o dia do desaparecimento do meu parama-gurudeva Śrī Śrīmad Gaura-kiśora dāsa Bābājī Mahārāja. Outros devotos já discursaram bastante sobre as glórias de Śrīla Bābājī Mahārāja e, assim, aproveito a oportunidade para orar ao meu parama-gurudeva, para que possa me tornar o receptáculo de sua misericória e da misericórdia do seu mais querido discípulo, o meu mais adorável Guru Mahārāja, Śrī Śrīmad Bhaktisiddhānta Sarasvatī Ṭhākura Prabhupāda. Neste mesmo dia em 1903, nasci no vilarejo de Kāñcanapāḍā, distrito de Faridpūra, o que hoje é o Paquistão do Leste (Bangladeche)”.
Notamos que durante as cerimônias de nascimento de Śrī Rāmacandra, Śrī Kṛṣṇa, Śrīmatī Rādhikā e Śrī Caitanya Mahāprabhu, seus respectivos pais Śrī Daśaratha Mahārāja, Śrī Nanda Bābā, Śrī Vṛṣabhānu Mahārāja e Śrī Jagannātha Miśra prestaram serviços às deidades do Senhor, aos brāhmaṇas, aos seus familiares e à todas as entidades vivas, oferecendo-lhes alimentos, vacas, ornamentos, doces, dinheiro e muitos outros artigos. Além disso, ensinaram a seus filhos que, no dia do aniversário deles, deve-se suplicar pela misericórdia dos anciãos, tocar seus pés, orar para eles e ouvi-los narrar sobre seus feitos.
Ainda hoje, esta etiqueta védica é seguida em quase toda a Índia. Minha mãe me ensinou desde cedo como deveríamos passar nosso próprio aniversário. Ela costumava dizer que no dia do nascimento, a pessoa é colocada na prisão do corpo grosseiro e sutil para sofrer com seu Karma (reações de sua atividades passadas). E este sofrimento é atenuado ou intensificado de acordo com a própria conduta. As almas condicionadas não deveriam considerar o aniversário como uma oportunidade de contemplar com alegria o número de anos nos quais estiveram presas ao corpo grosseiro e sutil. Ao invés disto, deveriam usar este dia como uma oportunidade para servir e orar por sua libertação deste mundo, ou pelo menos, orar em arrependimento para obterem a capacidade de tolerar o sofrimento que experimentam neste mundo. Elas deveriam se alegrar tão somente se recebessem a oportunidade de servir a Śrī Hari neste dia.
Do contrário, as almas liberadas ficam espontaneamente jubilosas no dia do seu aniversário, por terem a chance de celebrar e relembrar os anos de serviço prestado ao seu adorado Senhor neste mundo. Elas não vieram aqui para sofrer as reações do karma. seu único objetivo neste mundo é libertar as almas condicionadas da escuridão da ignorância, iluminando o caminho espiritual delas com a chama do conhecimento. Por este trabalho, Bhagavān as remunera com prema (amor puro por Deus).
Neste dia, o dia do meu nascimento, é meu dever adorar śrī guru. Para mim, śrī guru se manifesta em quatro aspectos: o primeiro é o que destrói a minha ignorância. Uma vez que Bhagavān é a fonte do conhecimento ilimitado, Ele é a raiz de guru-tattva, e assim aparece na forma do caitya-guru (Paramatma no coração). Portanto, é meu dever adorá-Lo hoje. O segundo aspecto de śrī guru é Śrīla Bhaktisiddhanta Prabhupāda, fundador da Śrī Caitanya Maṭha e das Gauḍīya Maṭhas ao redor do mundo, o qual pessoalmente me ocupou no serviço do Senhor e, assim, deu significado a minha vida. Em terceiro lugar considero, especialmente os discípulos de Śrīla Prabhupāda, como sendo manifestações individuais de śrī guru, e que aumentam as minhas lembranças sobre o comportamento, instruções, ensinamentos e os desejos mais profundos de Śrīla Prabhupāda. Em quarto lugar, considero meus discípulos como meus gurus, porque, estando sempre à minha volta, vivendo comigo e esperando que eu seja um modelo de conduta adequada, eles me forçam a ter que me comportar adequadamente e me fazem refletir profundamente a cada ação. Nunca me beneficiarei da associação de alguém que me oferece apenas elogios. Abandonando tal associação, sempre manterei a companhia dos que me instruem apontando meus erros.
Porque considero meus discípulos como meus gurus, tenho uma inclinação natural para servi-los. Não sou um tolo que se senta em um assento elevado e aceita adoração dos meus objetos de adoração. Se fizesse isto, não haveria pūjā. Pelo contrário, quando vejo que meus gurus têm o desejo de me adorarem em meu aniversário, por afeição, sou obrigado a servi-los aceitando tal adoração. Por serem eles meus objetos de adoração, é meu dever servi-los satisfazendo seus desejos. Desta maneira, não há diferença entre adoração e bênçãos. Ao me adorarem, eles me abençoam para que eu possa servi-los, alegrando-os pelo fato de aceitar a adoração deles a mim. Ao praticarem kīrtana diante de mim, recebo a oportunidade de servi-los, executando śravaṇa (ouvir).
Embora meus discípulos sejam meus gurus, a imensa afeição que sinto por eles às vezes me obriga a instruí-los e castigá-los, da mesma forma que Nanda Bābā e Yaśodā Maiyā castigaram, puniram, instruíram e até mesmo amarraram o Senhor Supremo Śrī Kṛṣṇa. Devido à profunda afeição que sentem, o humor deles de submissão ao Senhor é eclipsado pelo humor de serem os pais amorosos dEle. Por uma perspectiva, o guru é uma autoridade, mas por outra, é o amigo mais íntimo e bem-querente do discípulo. Os conceitos de ser o protetor e o protegido estão simultaneamente presentes nos devotos puros do Senhor. Às vezes, de acordo com a necessidade, a influência de um desses humores predomina sobre o outro. Desta forma, não há culpa se, por profunda afeição, o servo castigar ou instruir seu objeto de serviço. Hoje, um forte sentimento de ser protegido surgiu em mim, pelo fato de todos vocês estarem me protegendo e concedendo-me as bênçãos mais misericordiosas.
Testemunhamos pessoalmente a maneira pela qual Śrīla Bhaktisiddhanta Prabhupāda celebrou o dia do seu aparecimento, oferecendo sua gratidão e serviço aos vaiṣṇavas. Hoje, aproveitarei a oportunidade para servir a todos vocês e expressar a minha gratidão por servi-los e continuamente derramarem suas bênçãos sobre mim. Aqueles que me adoraram hoje devem saber que na verdade estão adorando meu Gurudeva, que é o verdadeiro objeto de adoração para o mundo inteiro. O serviço a śrī guru é tão auspicioso quanto o serviço a Bhagavān.
Nesse momento, Guru Mahārāja pessoalmente ofereceu daṇḍavat-praṇāmas (reverências), pasta de sândalo, guirlandas, roupas e doações primeiramente aos seus irmãos espirituais presentes e, em seguida, a todos os paṇḍās (sacerdotes brāhmaṇas). Quando alguém lhe dizia: “Hoje é o dia do seu aparecimento, por favor seja misericordioso comigo”, Guru Mahārāja respondia: “Não me importa se hoje é meu aniversário ou outro dia qualquer. Mesmo assim, é um dever de todos servirem os sādhus no dia do seu aniversário, e não quero deixar passar uma única oportunidade de servir os vaiṣṇavas, enquanto ainda estiver consciente. Estou usando meu aniversário como uma desculpa para realizar vaiṣṇava-sevā. Como os Vaiṣṇavas não querem aceitar nada para si mesmos, devem ser servidos sob algum pretexto”.
Era uma especialidade de Guru Mahārāja convidar e oferecer respeitos até mesmo aos Gosāi, que eram particularmente contrários a Gauḍīya Maṭha, e dar-lhes a oportunidade de ouvir os puros e inadulterados ensinamentos da Gauḍīya Maṭha.
Guru Mahārāja nos dizia: “Os Vaiṣṇavas são as nossas deidades adoráveis. Devemos oferecer-lhes daṇḍavat-praṇāmas juntamente com quaisquer objetos que possamos lhes ofertar. Aprendemos esta etiqueta observando o comportamento de Śrīla Bhaktisiddhanta Prabhupāda. Alguns dos Vaiṣṇavas aqui presentes, especialmente os discípulos dos meus irmãos espirituais, são como meus discípulos, e por isso hesitarão em aceitar qualquer artigo de mim se eu tiver que oferecer-lhes praṇāmas. Portanto, você deve oferecer-lhes todos esses presentes, assim como os ofereci a meus irmãos espirituais, com respeito e a etiqueta apropriada. Alguns Vaiṣṇavas vieram de lugares distantes como Nandagrāma, Govardhana, Kāmāi, Karehlā, Kiśorī-kuṇḍa e assim por diante, e gastaram muito dinheiro para chegar até aqui. Ofereça-lhes doações de modo que sobre algum dinheiro após pagarem as despesas da viagem. Nunca seja mesquinho no serviço aos Vaiṣṇavas.”
Instruções de Srila Bhakti Dayita Madhava Gosvami Maharaja
Por Srila Bhakti Vijnana Bharati Gosvami Maharaja
Do livro: Energia Vulcânica