As Glórias de Srila Prabhupada

Dandavat Pranamas! Hoje, dia 31 de outubro de 2019, é o auspicioso dia do sagrado desaparecimento de srila Bhaktivedanta Swami Maharaja (Srila Prabhupada). Nesse dia especial, oferecemos esta glorificação de Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja ao seu amado siksa-guru, em uma palestra dada em 09 de novembro de 1991. Todas as glórias a Srila Prabhupada!

Srila Prabhupada

Em homenagem ao Dia do Aparecimento de Srila Prabhupada

Por Tridandisvami Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja

Hoje é um dia muito auspicioso. Quando Sri Guru está neste planeta, temos uma relação com ele como guru e discípulo. Nesta ocasião, toda a nossa energia está voltada para cumprir o seu pedido e somos incapazes de pensar, externamente e internamente, sobre o profundo motivo para sua vinda a este mundo. Hoje, neste dia auspicioso, temos a oportunidade de pensar sobre toda a sua vida: quem ele é,
o que fez, o que queria ensinar e por que veio a esse mundo.

Quando Sri Caitanya Mahaprabhu e Sri Krsna estavam presentes, as pessoas não podiam entender Suas missões. No entanto, após deixarem de serem vistos neste mundo material, a profundidade de suas missões tornaram-se mais claras.

Agora, seu Prabhupada, meu siksa-guru, não está aqui ao alcance de nossa visão, mas ele está aqui. Ele esta em toda parte. Embora não tenhamos olhos para ver, ele está em toda parte. Ele é akanda-guru-tattva, uma manifestação de Nityananda Prabhu ou Baladeva Prabhu.

Quando Krsna estava em Vrndavana, as gopis dançaram com Ele a rasa-lila, e sempre estavam absortas em passatempos amorosos com Ele. Entretanto, quando Ele foi para Mathura e depois para Dvaraka, elas perceberam algo a mais que acontecia durante o encontro com ele. Elas perceberam um vipralamba-bhava especial (um encontro interno dentro dos sentimentos de separação).

Com nossa visão material, lembramos principalmente de Srila Bhaktivedanta Svami Maharaja na forma que o vimos. Ele pregou, ordenou algum serviço, deu tantos ensinamentos. Mas agora, depois de algum tempo, ele deixou este plano e partiu para os seus senhores Sri Sri Radha-Krsna.

Pelo seu desaparecimento, deu a nós uma oportunidade para sabermos quem ele realmente é, e o propósito pelo qual veio aqui. Ele escreveu o livro Bhagavad-gita Como Ele É, A Fácil Jornada a outros planetas, tradução e comentário do Srimad-Bhagavatam e de tantas outras literaturas autênticas. Ele queria fazer algo mais, mas não podia fazê-lo porque vocês não tinham qualificação suficiente para receber tudo o que ele desejava dar. Agora, pela graça dele, vocês estão de alguma forma em um estado melhor para o entender.

Quando Krsna estava em Dvaraka, ele ordenou a Uddhava que fosse até Vrndavana. Quando Uddhava recebeu essa ordem, ele disse: “Você está me enviando para Vrindavana, mas como posso morar em Vrindavana sem Você?”. Krsna respondeu: “Não pense assim. Eu sou uma bilionésima parte em Mathura, mas estou totalmente em Vrindavana com as gopis. Quando você for para Vrndavana, você verá que estou apenas em Vrndavana com elas e que eu não sou nada em Mathura.

Da mesma forma, hoje é o dia em que podemos pensar cada vez mais em Svamiji, seu Prabhupada – quem ele é e o que ele veio dar neste mundo. Numerosos professores e pregadores foram para os países ocidentais, como o professor Mayavadi Vivekananda. Mesmo agora, tantos pregadores estão indo para os países ocidentais, como para outras partes do mundo, mas não podem dar o que seu Prabhupada deu. Eles pregam sua própria teoria e dão isso em garrafas novas, mas Srila Prabhupada deu o que o próprio Sri Caitanya Mahaprabhu veio dar a este mundo. Mahaprabhu enguirlandou o mundo com o Santo Nome do Senhor e prema, amor puro por Deus.

sei dvare acandale kirtana sancare
nama-prema-mala ganthi paraila samsare
(Sri Caitanya-caritamrta, Adi-lila 4.40)

Assim, ele espalhou kirtana até entre os intocáveis. Ele usou uma coroa de flores do santo nome e prema, com a qual enguirlandou todo o mundo material. A identidade de Caitanya Mahaprabhu é explicada no seguinte verso:

namo maha-vadanyaya krsna-prema-pradaya te
krsnaya krsna-caitanya-name gaura-tvise namah
(Sri Caitanya-caritamrta, Madhya-lila 19,53)

Eu ofereço pranamas a Sri Krsna Caitanya, que é o próprio Sri Krsna. Tendo assumido a tez dourada de Srimati Radhika, Ele está munificientemente concedendo krsna-prema (amor divino), o mais raro de todos os presentes.

Caitanya Mahaprabhu é maha-vadanya, e similarmente Srila Rupa e Sanatana Gosvamis são maha-vadanya. Em nosso guru-parampara, Jiva Gosvami, Raghunatha dasa Gosvami, Krsnadasa Kaviraja Gosvami, Visvanatha Cakravarti Thakura, Baladeva Vidyabhusana e Bhaktivinoda Thakura são todos maha-vadanya, porque tentaram dar o mesmo que Sri Caitanya Mahaprabhu queria dar. Srila Prabhupada Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura enviou Srila Bhaktivedanta Svami Maharaja (Srila Prabhupada) ao Ocidente, sabendo que ele era uma personalidade grandiosa. Srila Swami Maharaja podia cumprir o desejo do seu coração nos países ocidentais.

Vivekananda não podia dar nada de valor ao Ocidente. Da mesma forma, todos os outros pregadores que foram lá só poderiam dar três coisas: dharma (religião material), artha (desenvolvimento econômico) e kama (gratificação dos sentidos). Alguns pregadores tentaram dar moksa (liberação impessoal), mas eles não tentaram dar krsna-prema (amor por Deus). Srila Bhaktivedanta Swami Maharaja foi para o ocidente, sozinho. Seu guru estava com ele, e Radha Krsna, Mahaprabhu e Nityananda Prabhu estavam com ele, mas não podíamos vê-los. Apenas viamos que estava sozinho, e que veio sem sequer algumas rupias.

Eu o conheci em Calcutá, em Aksaya-tritya, no dia em que a Gaudiya Vedanta Samiti foi estabelecida. Meu Gurudeva, Srila Bhakti Prajnana Kesava Gosvami Maharaja, que mais tarde lhe deu a ordem de sannyasa, o convocou. Seu Srila Prabhupada era um chefe de família naquela época. Eu não o tinha visto antes, mas eu o conhecia ouvindo sobre ele – ver por ouvidos é mais valioso do que ver pelos olhos. Muitas vezes eu tinha ouvido do meu Gurudeva que ele era uma grandiosa personalidade , um excelente escritor e conhecedor do Sastra, um pregador destemido da verdade – não temia a ninguém. Eu tinha ouvido dizer que ele havia escrito vários artigos na revista Gaudiya Patrika e na Bhagavata Patrika, e também para revista Harmonist. Eu também sabia que seu Srila Bhaktisiddhanta Prabhupada havia-lhe dito que deveria ir aos países ocidentais para pregar os ensinamentos de Sri Caitanya Mahaprabhu por lá. Quando o vi pela primeira vez, me senti muito atraído por ele, e depois disso, costumava me sentar e conversar com ele. Ele não estava dando muitas palestras naquela época, mas sua fala era muito poderosa e influente. Por exemplo, ele explicou este versículo:

ete camsa-kalah pumsah
krsnas tu bhagavan svayam
indrari-vyakulam lokam
mrdayanti yuge yuge
(Srimad-Bhagavatam 1.3.28)

Todas as encarnações de Deus apresentadas aqui são expansões plenárias ou partes das expansões plenárias da Suprema Divina, mas Krsna é ele mesmo a Suprema Personalidade de Deus.

Sempre que ia dar palestras do Srimad-Bhagavatam, e participava de debates de versos como este, ele costumava dar explicações belas, palavra por palavra, de forma que todos os presentes compreendiam claramente os significados; todos ficavam satisfeitos e o admiravam. Então, eu o vi pela primeira vez em Calcutá, e depois em Allahabad, e costumava ler minuciosamente seus muitos artigos da Gaudiya Patrika.

Ele é uma alma autorrealizada perfeita, um associado eterno de Radha-Krsna, e, como Krsna, ele realizou passatempos semelhantes a humanos neste mundo material. Ele desempenhou o papel de um sadhaka (particante) avançando na consciência de Krsna. Nesse papel, quando chegou a Mathura, ele me disse: “Eu tive medo de deixar minhas conexões com este mundo e aceitar a ordem de sannyasa. Li no Srimad-Bhagavatam que aqueles que se abrigam de Krsna ficam sem bens ou riqueza”:

yasyaham anugrhnami
harisye tad-dhanam sanaih tato;
dhanam tyajanty asya
svajana duhkha-duhkhitam
(Srimad-Bhagavatam 10.88.8)

A Personalidade de Deus disse: “Se eu favoreço especialmente a alguém, gradualmente o privo de sua riqueza. Então os parentes e amigos de um homem indigente o abandonam. Desta forma, ele sofrerá diversas dificuldades”.

Ele me disse: “Eu costumava temer este verso, mas cantando e servindo, decidi que eu ia receber sannyasa aqui em Mathura. No início, as pessoas não o conheciam, elas não sabiam que ele era tão qualificado. No entanto, depois de aceita sannyasa (voto de renúncia) e ir a Jhansi, Agra e a outros lugares, as pessoas compreederam algo de sua grandeza. Eu estava com ele quando mudou-se de Mathura para o Templo de Radha-Damodara, e testemunhei sua renúncia extrema. Ele não tinha nada além de uma colcha velha e rasgada. Ele não tinha um cobertor apropriado. Eu costumava dar-lhe meu chaddar, e com isso sentávamos juntos e conversávamos sobre Srila Rupa Gosvami e os outros Gosvamis. Durante esse período, ele também me mostrou o que estava escrevendo. No meio do dia, fazíamos chappatis (pães indianos) juntos – ele os esticava e eu os colocava no fogo – e então honrávamos prasada juntos. Eu também ficava com ele em Delhi, onde sempre estava ocupado em escrever e cantar os Santos Nomes. Ele nunca desperdiçava num momento. E ficava com ele em Mathura, onde também o via absorto na escrevendo e planejando. Ele fez um plano em Mathura de ir aos países ocidentais, e lá ele me disse: “Se necessário, vou abrir albergues, e, se necessário, até mesmo distribuirei ovos, carne e vinho para conquistá-los. Tenho plena fé de que, ao aceitarem o Santo Nome de Krsna, eles deixarão tudo isso em poucos dias”. Logo partiu para o ocidente e em pouco tempo ele espalhou esta missão em todo o mundo.

Nunca vi um acarya como ele. Mesmo Sankaracarya levou algum tempo para pregar sua missão, e ele a espalhou apenas na Índia. Mas Srila Bhaktivedanta Svami Maharaja espalhou sua missão em toda a Índia, nos países ocidentais, países orientais e em outros lugares, em apenas “alguns dias”, de 1965 a 1977. Ele estabeleceu numerosos centros de Sri Sri Radha-Krsna, Sri Caitanya Mahaprabhu e Deidades de Jagannatha. Ele trouxe tantos bons meninos, estudiosos como Tamal Krsna, Bhavananda, Brahmananda, Kirtanananda; muitas centenas de milhares de meninos e meninas, mulheres e crianças e fez tantos sannyasis e brahmacaris. Os devotos em todos os outros grupos de Gaudiya Mathas admitem o fato de que seus discípulos têm tanta fé em seu Gurudeva, e eu também concordo com isso. Eles são muito qualificados. Ele empregou sua varinha mágica e deu forma à previsão de Bhaktivinoda Thakura, e agora vemos que indianos e ocidentais de todo o mundo estão com  sikha e japamala – e que tanto
os cavelheiros e senhoras devotas estão cantando:

Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare,
Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare

Na Índia, todos os nossos asramas não recebem senhoras, mas ele deu espaço para as senhoras ocidentais. Se eu fosse dizer a todos no Ocidente que fossem brahmacaris e sannyasis, seria tão difícil pregar lá. Além disso, cada jiva (alma) – tanto mulheres quanto homens- tem qualidade e direito de nascimento para servir a Krsna. Em Kali-yuga há necessidade de ser muito abrangente, e, portanto, ele deu esse escopo. Se ele não tivesse feito isso, essa pregação da missão de Mahaprabhu não teria tido tanto sucesso em todo o mundo. Ele não teve muito tempo, então sua pregação pública consistiu principalmente em tópicos gerais. Ele discutiu tantos ensinamentos profundos em seus livros. Ao mesmo tempo, considerando sua audiência, ele não podia pregar tudo o que queria pregar. Existem muitos estágios em bhakti (devoção), e neste mundo, podemos chegar até o estágio de bhava:

adau sraddha tatah sadhu-sango
tha bhajana-kriya tato;
nartha-nivrttih syat,
tato nistha rucis tatah
athasaktis tato bhavas,
tatah premabhyudancati
sadhakanam ayam premnah,
pradurbhave bhavet kramah
(Bhakti-rasamrta-sindhu 1.4.15-16)

No início, deve-se ter um desejo preliminar por auto-realização. Isso levará ao estágio de tentar associar-se a pessoas espiritualmente elevadas. Na próxima etapa, aceita-se iniciação do mestre espiritual elevado, e sob a sua instrução, o devoto neófito começa o processo de serviço devocional. Com a prática do serviço devocional sob a orientação do mestre espiritual, o praticante torna-se liberto de todo o apego material, alcança a estabilidade na auto-realização e adquire um gosto por ouvir sobre a Suprema Personalidade de Deus, Sri Krsna. Esse gosto leva mais adiante ao apego para a consciência de Krsna, que é amadurecida em bhava (sentimentos espirituais), ou a fase preliminar do amor transcendental a Deus. O verdadeiro amor por Deus é chamado de prema, o mais alto estágio de perfeição da vida e a mais elevada meta da vida humana.

Jay Srila Prabhupada!

Retirado do site Pure Bhakti