Como Poderemos Experimentar Separação de Sri Guru?

O Dia do Aparecimento de Srila Bhaktivinoda Thakura
11 de setembro de 2019
Calendário Vaisnava – Outubro de 2019
1 de outubro de 2019

Dandavat Pranamas! Hoje, 12 de setembro de 2019, é o dia do sagrado desaparecimento de Srila Bhakti Vijnana Bharati Gosvami Maharaja, grande mestre espiritual da Sri Caitanya Gaudiya Matha e discípulo de Srila Bhakti Dayita Madhava Maharaja. A seguir, alguns artigos sobre o sentimento de viraha-bhajana (separação sentida por Sri Guru) retirado de palestras proferidas por Srila Bharati Maharaja.

Por Srila Bhakti Vijnana Bharati Gosvami Maharaja

Sri Srimad Bhakti Vijnana Bharati Gosvami Maharaja

Como Poderemos Experimentar Separação de Sri Guru?

Devoto: Você disse que não podemos ter nenhum sentimento de viraha ou vipralambha real (separação ou saudade intensa) até o estágio de asakti (apego profundo), então eu me indago, em nosso estágio inicial, como podemos nos desenvolver adequadamente se não somos capazes de sentir um sentimento de separação verdadeira? Como posso desenvolver um humor de separação adequado em relação ao meu Gurudeva nesta fase da minha vida?

Srila Mahārāja: Viraha (sentimento de separação) sentido por Gurudeva depende do seva (serviço devocional) oferecido a ele. Se não houver viraha, você não poderá realizar arcana (adoração) ou harināma (cantar dos Santos Nomes) no sentido verdadeiro. Nem todo mundo experimentará viraha da mesma maneira.

Quando você executa arcana, você vê Bhagavān (Supremo Senhor)? Caso não, então como você executa arcana? O pramāṇa (quando estamos envolvidos em arcana real) é quando experimentamos sofrimento devido ao sentimento de viraha por Bhagavān. No entanto, a realidade é que nós, seres vivos, nos esquecemos de Kṛishna.

kṛṣṇa bhuli’ sei jīva anādi-bahirmukha
ataeva māyā tāre deya saṁsāra-duḥkha
Śrī Caitanya-caritāmṛta Madhya (20.117)

Esquecendo-se de Kṛishna, a entidade viva é atraída pela energia externa desde tempos imemoriais. Portanto, a energia ilusória (māyā) concede todos os tipos de miséria na existência material.

Agindo como um instrumento, Srila Sanātana Gosvāmī fez uma pergunta a Mahāprabhu: “Prabhu, quem sou eu?” Srī Caitanya-deva respondeu: “Jīva, kṛṣṇera nitya-dāsa – toda entidade viva é a serva eterna de Kṛishna”. Já experimentamos isso? Não, não experimentamos. Somente se continuarmos a praticar anuśīlana (cultivo do serviço a Kṛishna) – para lembrarmo-nos de  Bhagavān na medida do possível para nós – então experimentaremos.

Não podemos ver Bhagavān, mas podemos nos ocupar em Seu serviço. Por conta disso que em arcana, é preciso primeiro executar bhūta-śuddhi. Mas antes disso, todos os artigos são purificados fazendo bhūmi-śuddhi, depois āsana-śuddhi, śaṅkha-śuddhi, ghaṇṭā-śuddhi, puṣpa-śuddhi. Contudo, apenas purificando todos os ingredientes é que você pode se qualificar para oferecer algo a Bhagavān? Você pode pedir a Bhagavān para aceitar sua oferenda? Não, antes de solicitar a Bhagavān, é preciso praticar bhūta-śuddhi.

O que é bhūta-śuddhi? Bhūta-śuddhi significa lembrar a identidade de alguém, cantando este verso:

nāhaṁ vipro na ca nara-patir nāpi vaiśyo na śūdro
nāhaṁ varṇī na ca gṛha-patir no vanastho yatir vā
kintu prodyan-nikhila-paramānanda-pūrnāmṛtābdher
gopī-bhartuḥ pada-kamalayor dāsa-dāsānudāsaḥ

Não sou um brāhmaṇa, não sou um kṣatriya, não sou um vaiśya ou um śūdra. Nem sou um brahmacārī, um chefe de família, um vānaprastha ou um sannyāsī. Eu me identifico apenas como o servo do servo do servo dos pés de lótus do Senhor Kṛishna, o mantenedor das gopis. Ele é como um oceano de néctar e é a causa da bem-aventurança transcendental universal. Ele é brilhante e eternamente existente.

(Caitanya-caritāmṛta Madhya 13.80)

É preciso contemplar: Por que estou dizendo isso?  Qual a conotação do verso: “Eu não sou um brāhmaṇa,  não sou um kṣatriya,  não sou um vaiśya, não sou um brahmacārī, um chefe de família, um vānaprastha ou um sannyāsī’? Se eu não sou um desses, então qual é a minha identidade? Eu sou o servo do servo dos que servem os  pés de lótus de Bhagavān. Não apenas dāsa, mas dāsanudāsa. O que isto significa? A realização não virá da leitura, memorização e repetição, compreender  isso depende do cantar dos Santos Nomes e de profunda contemplação.

Da mesma forma, viraha de Gurudeva e Vaiṣṇavas será experimentado quando alguém os contemplar. Ao refletir sobre suas atividades e ensinamentos, experimentará o viraha do guru, Vaiṣṇavas e Bhagavān. Até o momento em que não houver viraha, o coração não ficará absorto.

Isso também acontece no  mundo material – quando uma criança esta na presença de alguém , esta não pensa  muito nela. No entanto, quando a criança se afasta, tudo que trás conexão a ela  serve como estímulo para pessoa lembrar-se  dela. Uma vez vi um macaco agarrando seu filho morto, mesmo estando o corpo  decomposto e cheirando mal. Geralmente, observamos que quando um filhote  recebe alguma comida, a mãe (macaca) o agarra dando um tapa e come a comida  sozinha, mas quando o filho  morre, a mãe o carrega  e não o deixa. Esta é a separação, que não foi experimentada anteriormente.

Da mesma forma, somente quando o viraha de guru, Vaiṣṇavas e Bhagavān for experimentado, aumentará o apego e a absorção de alguém em relação a eles. Nesse estágio, sempre que cantarmos os santos nome será com um  sentimento de Viraha. Então tudo se tornará sambodhanātmaka, diretamente relacionado  a nāmī no caso do mahā-mantra. Na medida em que alguém dá atenção a Śrī Guru, Vaiṣṇavas e Bhagavān, nessa medida experimentará viraha.

Ninguém pode premiar você com viraha ou experimentar viraha simplesmente cantando harināma. Quando alguém vê tudo em conexão, somente então viraha surgirá. Enquanto estiver fazendo adoração, tal pessoa se lembrará, é assim que Gurudeva costumava fazer isso e aquilo, e na medida que se recorda de todas as atividades de Gurudeva, ela sente a separação.

Há casos em que os pais sentem grande separação ou saudade intensa ao perder o filho, no entanto, depois que o segundo filho nasce, a lembrança do filho anterior desaparece. Isso não é viraha (real). O viraha experimentado no caso de Bhagavān é apūraṇīya (irreparável), nunca se pode pacificá-lo.

Da mesma forma, o viraha experimentado por Gurudeva nunca se acaba . Assim, viraha verdadeiro será experimentado.

Tradução: Indumati Devi Dasi e Madhana Mohana Das

Fonte: https://www.visuddhacaitanyavani.com/single-post/2019/09/12/How-can-we-experience-Separation-from-sri-guru

……………………………………………………………………………………………………………………………………

Lembrança em Separação – Bhagavata Patrikā

Separação por Gurudeva se dá somente na Proporção do Esforço de cada um para entender suas Concepções, Ideais e Palavras de maneira Apropriada

Depois que Śrī Śrīmad Bhaktivedānta Nārāyaṇa Gosvāmī Mahārāja entrou nos passatempos eternos, Śrīla Mahārāja disse o seguinte ao oferecer sua glorificação direcionada aos seus pés de lótus: “O significado de samādhi é estar absorto no serviço de nitya-vastu (o objeto eterno) com mente e consciência determinada. Isso faz menção a entrar nos passatempos eternos de Bhagavān.

“Após o desaparecimento de Śrī Śrīmad Bhaktivedānta Nārāyaṇa Gosvāmī Mahārāja, quem experimenta de fato a separação dele? Alguém experimentará a separação de Gurudeva na medida em que se esforçou para entender bem as concepções, ideais e palavras de Gurudeva. Viraha significa vipralambha, em outras palavras, ter lembrança de Gurudeva a cada momento. Se alguém está ou não sentindo separação de Gurudeva, isto não é sabido por palavras, mas pela conduta individual após a partida de Gurudeva. Não é que todos experimentem o mesmo grau de separação. A humildade pode se manifestar no coração de alguém ao cantar o kīrtana de Śrīla Narottama Dāsa Ṭhākura — ‘je ānilo prema dhana karuṇā pracura’ ─ lamentando ─ “Oh! Qual deve ser o estado em separação e qual é o meu estado real? Eu nem estou experimentando um pingo de separação após a partida de Gurudeva”. Alguém mais se lembrará de que, em separação de Śrī Kṛṣṇa, Arjuna não foi capaz de segurar nem mesmo seu arco de Gāṇḍīva, mas todos os dias eu estou fazendo a mesma coisa, o que eu estava fazendo antes, e vou continuar fazendo. Na realidade, apenas alguém que segue as concepções de Gurudeva experimenta separação de fato. O humor de separação que as pessoas deste mundo exibem ao lamentar é apenas temporário, porque, de fato, o viraha-tattva é eterno e deve ser mantido eternamente; em outras palavras, será necessário tornar-se fortemente determinado e muito entusiasmado em seguir o ideal que Gurudeva seguiu durante sua vida. A concepção de Gurudeva não é diferente da de Śrī Rūpa-Raghunātha e Śrīla Narottama Dāsa Ṭhākura; não é independente deles.
“Neste mundo de atividades fruitivas, sempre se busca a religiosidade, o desenvolvimento econômico, a gratificação dos sentidos e a liberação e, ao deixar este corpo, todos os filhos herdam igualmente a riqueza. No entanto, no reino de Bhakti, especialmente na Gauḍīya sampradāya, ao abandonar completamente os quatro objetivos de: religiosidade, desenvolvimento econômico, gratificação dos sentidos e liberação, os devotos aceitam a meta mais elevada de Kṛṣṇa-prema (amor puro por Deus) como sendo o único objetivo da vida. Quando eles deixam este mundo, sua única riqueza é seu ideal, seus preceitos e ensinamentos conectados à meta mais elevada ─ kṛṣṇa-prema. É por isso que só se pode adquirir a riqueza transcendental ilimitada de seu Gurudeva na medida em que nos rendemos a ele.”
Śrīla Mahārāja foi o seguidor dos preceitos e ensinamentos de Bhakti pura personificada pelo verso, ‘anyābhilāṣitā śūnyam’. Seguindo os passos dos servos íntimos de Śrīmatī Rādhārāṇī e permanecendo fixo nas concepções de Śrīman Mahāprabhu, ele estava ciente de como as gopīs estavam preparadas para oferecer a poeira de seus pés a Śrī Kṛṣṇa, mesmo à custa de ter que residir eternamente no inferno. Além disso, ele entendeu como aquelas gopīs, que não seguiram os passos de anukūla-śakti Śrīmatī Rādhārāṇī, mas, em vez disso, seguiram em busca de Śrī Kṛṣṇa, encontraram apenas a forma de quatro braços de Śrī Kṛṣṇa em Paiṭhāgrāma, enquanto que as gopīs que seguiram Śrīmatī Rādhārāṇī, foram afortunadas em obter o darśana de Śrī Kṛṣṇa, na Sua forma original de dois braços. Portanto, o ideal de Bhakti pura que Śrīla Mahārāja deixou é a sua riqueza de fato e, por mais que se deseje extrair dessa riqueza, é possível fazê-lo ─ ninguém fará objeções ou criará qualquer tipo de obstáculo.”
UM SIGNIFICADO DE SAMĀDHI É FICAR EM SILÊNCIO COMPLETO
No ano de 2016, durante o Vṛaja-maṇḍala parikramā, em Śrī Giridhāri Gauḍīya Maṭha, situada em Govardhana, na ocasião do grande festival de inauguração do puṣpa-samādhi mandira e Śrī Prakāṣa vigraha [manifestação na forma da Deidade] de Nityalīla Praviśta Oṁ Viṣṇupāda Aṣṭottaraśata Śrī Śrīmad Bhaktivedānta Nārāyana Gosvāmī Mahārāja, Śrīla Mahārāja nos concedeu sua santa associação e, em sua oferenda, ele disse o seguinte: “Śrī Gurudeva é eterno. Dizer que um objeto eterno estava lá ontem e não está hoje ─ tal proposição é impossível. Portanto, Śrī Gurudeva esteve lá ontem, está presente hoje e permanecerá para sempre ─ esta é a concepção transcendental. No entanto, devido à nossa falta de qualificação, não podemos ver a sua forma ou a sua beleza pelos nossos olhos, porque ele adentrou os passatempos eternos. Um significado de samādhi é assumir o silêncio completo. Assim como Bhagavān Mukesh, ao se tornar Mūka-īśvara, aceita o serviço oferecido por seus devotos, da mesma maneira, quando Śrī Gurudeva aceita o silêncio, ele aceita o serviço daqueles que se abrigaram nele. Neste momento, seu estado de samādhi e o local de seu samādhi são chamados samādhi mandira.”
***************************************************
A série ‘Lembrança em Separação’ dedicada a Śrī Śrīmad Bhakti Vijñāna Bhāratī Gosvāmī Mahārāja, foi primeiramente publicada na Sri Sri Bhagavata Patrika em hindi no ano de 2018. A série se desdobrou em três volumes (Ano 14, Volume 9-10, 10-11, 11-12).
Tradudação: Maha Vishnu Das