Jay Sri Damodar Gaudiya Matha – Jagannatha Puri, India

Sri Sri Radha Raman Vihari Gaudiya Matha – Janakpuri (Delhi), India
6 de outubro de 2014
Sri Kesavaji Gaudiya Matha – Mathura, India
6 de outubro de 2014

Jay Sri Damodar Gaudiya Matha – Jagannatha Puri, India

Desenhos-01

1.Jaya Sri Damodar Gaudiya Matha

Fundador Acarya Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja
Próximo ao templo de Chakatirtha- CT Estrada, Puri- 72002, Orissa- India
Telefone: (06752) 229695/ 97 Fax:(06752) 227317
DamodarGaudiyaMath.com
damodarmath@gmail.com

A bsorção no humor de Mahaprabhu, enquanto residia na morada da separação (Sri Jagannatha Puri-dhama)

Em 30 de novembro Srila Gurudeva chegou a Jaya Srī Damodara Gaudiya Matha, que está localizada na Cakra- tirtha em Sri Jagannatha Puri-dhama. Ele foi saudado pelos devotos presentes, que o acolheram com muito carinho e cerimônia adequada. Como antes, os seus companheiros continuaram servindo-o durante todo o dia. De tempo em tempo, eles cantavam kirtana ou liam o sāstra para ele em seu bhajana-kutira. Sempre que Srila Gurudeva via algum deles de braços cruzados, ele dizia: “Não seja ocioso. Fale hari- katha para os outros devotos. Falar hari-katha é um membro de Bhakti.”

2Certo dia, ao olhar para o outro lado da imensa praia em direção ao oceano, Srila Gurudeva disse baixinho: “Antes, sempre que eu vinha a Sri Jagannatha Puri-Dhama, eu o meditava em Sriman Mahaprabhu banhando-se no oceano junto aos seus associados. Também meditava sobre as palavras de Sriman Mahaprabhu na época do desaparecimento de Srila Haridasa Thakura deste mundo, depois que ele se banhou no oceano. Mahaprabhu disse que, a partir daquele momento, este oceano seria um mahā-tirtha (supremo lugar santo), porque se tornara o caranamrta (água que banha os pés) de Srila Haridasa Thakura. Portanto, eu me banhava no mar quase todos os dias. Agora, também, eu quero tomar banho nesta água do oceano. Você pode trazer um pouco de água do mar para me banhar?” Daquele dia em diante, Srila Gurudeva banhou-se todos os dias com água trazida do oceano.

Puri- Takurajis do templo- Jagannatha, Baladeva e Subadra

Puri- Takurajis do templo- Jagannatha, Baladeva e Subadra

Cada manhã e à noite também, ele caminhava no corredor do templo- hotel, assistido por seus servos que o apoiavam em ambos os lados, e ele sentava-se em sua varanda para ter o darśana do mais santo dos oceanos. Ao mesmo tempo, ele concedia darśana aos devotos que permaneciam no andar de baixo. Um dia, quando Srila Gurudeva olhou para o oceano, ele disse: “Este é o mesmo local onde Sri Caitanya Mahaprabhu flutuou quando estava imerso em Mahabhava e Seu corpo assumiu uma forma semelhante a de uma tartaruga.” Na maioria das vezes, no entanto, Srila Gurudeva sentava-se em silêncio. Sua absorção profunda era evidente.

Outra vez, quando ele estava olhando para o mar, pediu ao seu servo se ele poderia contar as ondas do mar. “Não,” o servo respondeu: “as ondas do mar são infinitas.” “Meu coração é assim”, Srila Gurudeva disse ele. “Ele está fluindo com infinitas ondas de humores para o serviço de Sriman Mahaprabhu e Sri Sri Radha Krisna, e também com ondas de carinho para com meus discípulos e seguidores.”

Uma coisa era especialmente visível em Sri Jagannatha Puri-dhama. Se alguém oferecesse reverências a Srila Gurudeva, mesmo de lugares tão distantes como a costa do oceano, Srila Gurudeva invariavelmente levantava a mão para abençoá-lo. Além disso, até a conclusão de seus passatempos manifestos, ele juntava suas mãos e oferecia seus respeitos a qualquer tipo de prasada que fosse oferecido a ele. Só então, ele honrava-a. Às vezes, Srila Gurudeva estava tão profundamente imerso em sua consciência interna, que seus servos tinham de se esforçar por 30-45 minutos para levá-lo a aceitar apenas uma colherada de alimento. Este acontecimento se repetiu em Delhi, Govardhana e após também, em Sri Jagannatha Puri.

4